Notícias Bryan, filho de Carla e Rafael: juntos por 15 dias

Bryan, filho de Carla e Rafael: juntos por 15 dias

Agência Estado

Bryan, de 8 meses, já ganhou um andador, que ele empurra com as perninhas para passear de um lado para o outro em casa. Quando crescer mais um pouco, a aventura vai ser com os patins que pertenciam à mãe e foram guardados pelo pai, Rafael. De Carla Chaikoski, de 30 anos, o menino também herdou os olhos grandes, os cílios definidos, o formato das mãos e tantos outros detalhes que Rafael descobre à medida que o bebê cresce.

Ver o menino se desenvolver é revisitar, dia a dia, a mulher, vítima da covid-19. "O que me mantém é chegar em casa e ver aquele toquinho de gente, aquele pedacinho dela", conta Rafael Grassi, de 35 anos, morador de Cascavel, no interior do Paraná. "Às vezes é difícil olhar para ele e não ter ela, mas o amor que sinto por ele é gigante."

Em datas como o Natal, o luto pesa mais. "Era o que ela queria. Sei que queria estar aqui, correndo atrás dele, vendo as coisinhas que ele aprende." Carla já tinha tudo planejado para comemorar com o primeiro filho, mas a maternidade, sonhada, durou poucos dias. Infectada no hospital onde deu à luz, a técnica de enfermagem chegou a ir para casa, amamentou o bebê, mas voltou a ser internada e não resistiu.

Os sintomas em casa, após o nascimento de Bryan, começaram com tosse e febre - Rafael também adoeceu, ao mesmo tempo. De volta ao hospital, os médicos não pediram exame para covid-19 e a dispensaram. Em poucos dias, o quadro piorou e o casal procurou novamente atendimento. "Ela não conseguia respirar, já estava saturando 40% (a oxigenação ideal deve estar acima de 95%), chegou quase morta."

Antes de ser entubada, fez uma chamada de vídeo pelo celular. "Se eu morrer, dê muito amor para nosso menino e para a Amorinha (a cachorrinha do casal)", disse a Rafael.

Carla teve uma parada cardiorrespiratória poucas horas depois. Há quatro meses, ele tenta se afastar das notícias sobre a pandemia, que voltou com ainda mais força à cidade no fim do ano. "Não assisto mais TV, não pego jornal, quando estou lendo alguma coisa falando de covid, eu passo." Ver aglomerações nas ruas e gente sem máscara revolta.

Sem experiência com crianças, Rafael cria Bryan com a ajuda da mãe, com quem vive agora. Quer manter os planos que tinha feito com Carla: levá-lo à beira do mar, viajar, brincar com o videogame que a mulher gostava. "Vou guardar os exames de pré-natal, vídeos, fotos e áudios para mostrar para ele, contar o quanto ela o queria."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Últimas