Ir para Portal R7

GÊNESIS

CORONAVÍRUS

JR 24H

ENTRETENIMENTO

LIFESTYLE

Virtz

ESPORTES

BLOGS

RECORD TV

+R7

[Avaliação] T-Cross manual é esperto e econômico mas custa caro

Versão de entrada do SUV tem desempenho mas preço é alto diante dos rivais

Andamos 600km com a versão de entrada que tem motor 1.0 TSi de 128cv

Marcos Camargo Jr
Publicidade
audima
T-Cross 200 TSi 2020, avaliado pelo R7: motor 1.0 TSi de 128cv e câmbio manual de seis marchas
Marcos Camargo Jr

Lançado em abril, o T-Cross é uma grata surpresa para a Volkswagen ao entrar no top 10 dos carros mais vendidos do país e estar perto de dobrar os números de vendas desde o lançamento. Em maio, seu primeiro mês cheio nas concessionárias, vendeu 1.800 unidades e no mês passado já foram 3.100 veículos emplacados somando mais de 11 mil vendidos no acumulado do ano. 

Traseira do T-Cross com conjunto único unindo as lanternas: uma das marcas no design do SUV
Marcos Camargo Jr

Desta vez o R7 avaliou a versão de entrada do T-Cross, a 200 TSi, equipada com motor turbo e injeção direta que rende 128 cv (etanol) e 20,4 kgfm de torque a 2.000 rpm e câmbio manual de seis marchas. 

Interior do T-Cross 200 TSi: sem elementos cromados ou preto brilhante
Marcos Camargo Jr

O T-Cross mais simples vem equipado com seis airbags, controle de tração e estabilidade além de freios ABS a disco nas quatro rodas. Vem com bancos em tecido, acabamento interno na cor cinza, coluna de direção com ajuste de altura, ar condicionado e direção elétrica além de um rádio mais simples por R$ 84,5 mil. Ao adicionar o pacote Interactive 1 o T-Cross 200 TSi vem com multimídia Composition Touch com tela de 6,5'',  seis alto-falantes, câmera de ré e sensores de estacionamento dianteiros e traseiros por mais R$ 1.720,00. Esta foi a versão que avaliamos.

Vida a bordo

Se por fora o T-Cross ainda tem ares de novidade por dentro ele é só simplicidade. Não há elementos cromados ou acabamento black piano no painel de linhas retas, como no Polo. Ainda assim é ergonômico na posição de dirigir, acomoda cinco adultos e bagagem com seus 373 litros ou 420 com o recurso dos bancos retráteis. Com chave comum de partida, o T-Cross tem saída lenta mas acorda logo às 1.700rpm e acelera com agilidade até os 3.000rpm escalonado pelo câmbio de seis marchas herdado do Golf, de engates curtos, tradição da marca.

Interior do SUV compacto é versátil com espaço suficiente para levar 5 pessoas
Marcos Camargo Jr

Neste "intervalo" está o seu melhor momento com ótimas retomadas e ganhos de velocidade com relativo silêncio na cabine. O câmbio de seis marchas foi bem calibrado para o carro e quando a força não é necessária, a sexta marcha faz o motor se tornar imperceptível.

Marcos Camargo Jr

O freio a disco é preciso e nas subidas e o controle ajuda a segurar a carroceria o que é útil especialmente num carro de transmissão manual. Outro mimo é a luz lateral que acende sempre que o carro faz manobras em baixa velocidade. Como é mais alto, fica difícil enxergar suas quinas e o sensor dianteiro também cumpre seu papel. 

Consumo

A maior surpresa do T-Cross 200 TSi está no consumo do polivalente motor TSi. Na cidade o consumo médio fica em torno de 14Km com 1 litro, média que chega aos 18km/l em velocidade constante nas vias expressas. Na estrada o consumo com o mesmo combustível ficou na média de 17km/litro após uma viagem de cerca de 300km.

Marcos Camargo Jr

Esgotada a gasolina, o consumo com etanol apesar de deixar o carro mais esperto caiu consideravelmente para 8,5Km/h chegando a até 12km em trecho rodoviário. Com o combustível vegetal rodamos cerca de 120km alternando entre trechos de cidade e estrada.

Caro diante dos rivais

Apesar do desempenho notável e do bom nível de segurança, o T-Cross 200 TSi fica muito além dos rivais em termos de preço. Com R$ 86,2 mil, ele se aproxima dos R$ 89,9 mil do líder Jeep Renegade Sport que tem motor 1.8, fica mais caro que o Nissan Kicks S 1.6 CVT de R$ 85,9 mil e quase nivelado ao Hyundai Creta Smart 1.6, para citar todos os competidores que ocupam o topo da lista dos mais vendidos considerando só versões automáticas, as mais vendidas.

Apesar das qualidades o Volkswagen custa mais que seus rivais mas vendas seguem em alta
Marcos Camargo Jr

No caso da versão manual, a diferença fica ainda maior: custa quase R$ 8 mil além do Kicks e R$ 6 mil a mais que o Creta (o Renegade não tem mais versão com câmbio manual na linha 2020).

Também custa quase R$ 17 mil a mais que o Peugeot 2008 Allure 1.6 e que o Renault Captur Zen 1.6, R$ 10 mil a mais que o Citroën C4 Cactus Feel 1.6, perdendo só mesmo para o Honda HR-V que custa a partir de R$ 94,4 mil. Se considerar o Caoa-Chery Tiggo 2, que "corre por fora" e custa a partir de R$ 60 mil, a diferença chega a R$ 26 mil e considerando outro carro da marca, o Tiggo 5X o preço do T-Cross 200 TSi manual é o mesmo do chinês de porte superior com motor 1.5 turbo e transmissão DCT de dupla embreagem.

Confira a avaliação completa, aqui.

Publicidade
Ir para versão mobile