Notícias Cidade de SP registra ‘nível péssimo’ de qualidade do ar pela 1ª vez desde 1996

Cidade de SP registra ‘nível péssimo’ de qualidade do ar pela 1ª vez desde 1996

Agência Estado

A cidade de São Paulo registrou na segunda-feira, 23, nível "péssimo" de qualidade do ar pela primeira vez desde 1996. O índice foi verificado na estação de Perus, zona noroeste da capital paulista, e está diretamente ligado ao incêndio que atinge o Parque Estadual do Juquery desde domingo, já consumindo cerca de 65% da área da unidade protegida na Grande São Paulo. Com o controle do fogo, a qualidade do ar até apresentou tendência de melhora, mas ainda não é considerada satisfatória.

"Com o incêndio de grande porte na região de Juquery, a massa da queimada acabou atingindo a região metropolitana e Perus registrou altíssima concentração de poluentes, deixando a qualidade do ar péssima na região, o que não se observava desde 1996 não só em São Paulo, mas em toda a região metropolitana", explicou em entrevista ao Estadão a gerente da divisão de qualidade do ar da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), Maria Lúcia Guardani.

"Ontem (segunda-feira) foi um dia atípico, muito diferente. Por causa da queimada, atingimos esse cenário, mas está melhorando", complementa Maria Lúcia. Segundo ela, enquanto outras oito regiões registraram níveis "ruim" ou "muito ruim" na segunda-feira, Perus permaneceu com o nível "péssimo" ao longo de todo o dia. O índice melhorou apenas no início da madrugada desta terça-feira, 24, passando, ainda assim, para o nível "muito ruim".

Boletim diário emitido pela Cetesb às 11 horas desta terça apontou que 11 das 28 estações da região metropolitana de São Paulo registraram nível "ruim" de qualidade do ar e outras duas, entre as quais a estação de Perus, registraram nível "muito ruim". Nenhuma registrou "nível péssimo".

"O incêndio foi contido, ainda tem fogo, mas não está afetando a região como aconteceu na segunda", explica a gerente da Cetesb, acrescentando ainda que as partículas se dispersaram pouco por ausência de vento e chuva na capital. Esses são alguns dos fatores que, segundo ela, fazem com que o nível de umidade do ar esteja crítico na cidade, métrica que é diferente da qualidade do ar.

"Estamos em um período de alta pressão atmosférica e a característica desse tempo é que o ar fica pressionado, o que significa que os poluentes não se dispersam. Isso tende a persistir por dias", explica o engenheiro e geógrafo do Instituto de Energia e Meio Ambiente (Iema), David Tsai, reforçando que a situação está crítica mesmo fora dos índices. "É perceptível, pela própria respiração, que o ar não está legal", acrescenta.

Tsai diz ainda que, historicamente, São Paulo é um Estado que apresenta problemas por queimadas em plantação de cana, mas isso, segundo ele, foi reduzido com o avanço da legislação ambiental. Na região metropolitana, por outro lado, eventos como o do Parque do Juquery são considerados atípicos, o que acabou sendo determinante para a oscilação nos índices de qualidade do ar.

Nesta terça-feira, às 12 horas, a Defesa Civil municipal decretou estado de atenção, quando a umidade do ar fica entre 21% e 30%. Abaixo desse patamar, já é considerado nível de alerta. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o ideal é entre 50% e 60%.

Nos próximos dias, a tendência é de que o tempo continue da mesma forma, com potencial para novos recordes de calor no inverno. O calor aumenta na quarta-feira, quando os termômetros podem alcançar a máxima de 32°C no meio da tarde. Pelo menos até quinta-feira, os índices de umidade devem continuar próximos ou abaixo dos 20%.

Cuidados com a saúde

O clima seco afeta o revestimento das vias respiratórias do nariz até o pulmão, explica o pneumologista André Nathan Costa, do Hospital Sírio Libanês. Quando essa mucosa fica ressecada, diz ele, o ambiente se torna favorável para a proliferação de agentes infecciosos, como vírus e bactérias. Além disso, por estar mais sensível e propensa a pequenas lesões, podem aparecer sintomas de tosse, sangramento nasal e irritação na garganta.

Os principais cuidados são relacionados à hidratação, que deve ser intensa. É recomendável, também, ingerir menos sal e alimentos condimentados. Costa aconselha ainda o uso de soro fisiológico no nariz e, eventualmente, de inalação. Se houver sintomas graves, o procedimento é procurar um médico e evitar automedicação.

Segundo o pneumologista, as pessoas mais propensas a sofrer danos à saúde por causa do ar seco são crianças, idosos e aqueles que já têm doenças respiratórias, como rinite, sinusite crônica, asma, bronquite e efisema. (Colaborou Davi Medeiros)

Últimas