Acusados de incêndio na boate Kiss deixam penitenciária em Santa Maria

Justiça concedeu, nesta quarta-feira (29), liberdade aos réus

Incêndio deixou 242 pessoas mortas, em janeiro deste ano
Incêndio deixou 242 pessoas mortas, em janeiro deste ano Adriana Sousa Nery/Estadão Conteúdo

Os quatro acusados do incêndio na boate Kiss, em Santa Maria (RS), deixaram, por volta das 21h30 desta quarta-feira (28), a penitenciária onde estavam desde o dia 28 de janeiro, quando a Justiça determinou a prisão deles. Os sócios da casa noturna, Elissandro Spohr e Mauro Hoffmann; e os integrantes da banda Gurizada Fandagueira, Marcelo dos Santos e Luciano Bonilha Leão saíram escoltados por viaturas da Brigada Militar.

Três desembargadores do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul decidiram, por unanimidade, conceder liberdade aos acusados. Eles entenderam que os réus são primários, não apresentam riscos à sociedade e que, após quatro meses, o clamor público teria esfriado.

Parentes das vítimas que participaram da audiência ficaram revoltados com a decisão da Justiça. A mãe de uma jovem morta no incêndio chegou a gritar no momento do pronunciamento. 

Após acompanhar a concessão da liberdade aos quatro acusados pela morte da filha dele, Adherbal Alves Ferreira, presidente da Associação dos Familiares das Vítimas e Sobreviventes da Tragédia na Boate Kiss, em Santa Maria (RS), disse estar envergonhado com o Poder Judiciário.

— [Soltá-los], simplesmente regrediu a questão psicológica nossa. É como se nossos filhos não valessem nada. Estamos fazendo um trabalho perfeito até agora, tentando recuperar as pessoas, só que agora a Justiça decretou o caos na cidade.

A nossa esperança foi por água abaixo, diz pai de vítima de incêndio na boate Kiss, após soltura de acusados

Feridos

No último dia 19, Mariane Wallau Vielmo, de 24 anos, morreu. Ela foi a 242ª vítima do incêndio e estava internada desde 27 de janeiro, data da tragédia. Natural de Santiago, Mariane estudava Sistemas de Informação e trabalhava com informática em uma escola.

De acordo com a assessoria de comunicação, quatro vítimas do incêndio continuam internadas no Hospital de Clínicas, em Porto Alegre. Um paciente que havia recebido alta retornou para uma avaliação e a equipe médica achou melhor interná-lo de novo.

Incêndio

O incêndio dentro da boate Kiss no centro de Santa Maria, cidade a 290 km da capital, Porto Alegre, aconteceu na madrugada de 27 de janeiro.

O fogo começou porque, durante a apresentação da banda Gurizada Fandangueira, um dos integrantes acendeu um artefato pirotécnico — uma espécie de fogo de artifício chamado "sputnik" — que ao ser lançado atingiu a espuma do isolamento acústico, no teto da boate. As chamas se espalharam em poucos minutos.

A casa noturna estava cheia na hora que o fogo começou. Cerca de mil pessoas estariam no local. O incêndio provocou pânico e muitas pessoas não conseguiram acessar a saída de emergência. Os donos não tinham qualquer autorização do Corpo de Bombeiros para organizar um show pirotécnico na casa noturna. O alvará da boate estava vencido desde agosto de 2012, afirmou o Corpo de Bombeiros.

Assista ao vídeo: