Cidades Admissões por contrato intermitente crescem 144% na Paraíba

Admissões por contrato intermitente crescem 144% na Paraíba

O número de admissões com carteira assinada, que ocorreram por meio de

Portal Correio

O número de admissões com carteira assinada, que ocorreram por meio de contrato intermitente, cresceu 144,8% de 2018 para 2019, segundo dados da Síntese de Indicadores Sociais, divulgados nessa quinta-feira (12) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Nacionalmente, essa alta foi de 117,5%. As informações foram obtidas pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

Leia também:

Paraíba tem mais de 500 mil pessoas em situação de extrema pobreza

No trabalho intermitente, a prestação de serviços, com subordinação, não é contínua e ocorre com períodos alternados de prestação e inatividade, determinados em horas, dias ou meses, independente do tipo de atividade do empregado e do empregador. O contrato ocorre nos termos da Lei 13.467/2017, conhecida como Reforma Trabalhista. De acordo com o levantamento, em 2018, haviam sido realizadas 811 admissões nessa modalidade, no estado, mas no último ano esse número saltou para 1.985.

Já a quantidade total de admissões com carteira assinada, na Paraíba, variou 4,4% no mesmo período, passando de cerca de 128 mil, em 2018, para 133,7 mil, no ano pesquisado. Dessas, aproximadamente 1,5% ocorreram por contrato intermitente. No ano anterior essa proporção havia sido de 0,6%.

Por sua vez, o saldo de empregos teve alta de 12,3%, em 2019, passando de 5,4 mil postos de trabalho existentes em 2018, para 6,1 mil. Entre os de contrato intermitente, a expansão foi de 159,3%, passando de 506 vagas para 1,3 mil.

Demora no retorno ao mercado

Das 212 mil pessoas que estavam desocupadas na Paraíba em 2019, 17% haviam procurado trabalho pelo período de um ano a menos de dois anos, enquanto outros 38,7% já procuravam há dois anos ou mais, totalizando 55,7%. Ambos os percentuais foram maiores que as médias nacionais, de 15% e 27,5%, respectivamente. 

Além disso, a SIS aponta para um crescimento significativo dessas proporções frente a 2018, quando 13,8% dos desocupados haviam procurado emprego pelo período de um ano a menos de dois anos e 25,5% por dois anos ou mais.

Em 2019, de acordo com os dados da SIS, 14,3% dos desocupados estavam em busca de uma oportunidade pelo período de até um mês e 30% pelo intervalo de mais de um mês a menos de um ano. Nesses casos, as médias do país foram de 19,2% e 38,3% Em comparação aos indicadores registrados no ano anterior, houve queda nos percentuais estaduais, que haviam sido de 21,5% e 39,1%, respectivamente. 

Últimas