Cidades Arquiteto explica usos do concreto ciclópico

Arquiteto explica usos do concreto ciclópico

Ao projetar uma casa, a depender do gosto do cliente, arquitetos e urbanistas podem utilizar uma série de materiais para estruturar e compor os ambientes, como madeiras, concreto aparente, alvenarias de tijolos cerâmicos, etc. E quando o gosto se refere a uma estética rústica, o uso do concreto ciclópico é uma das alternativas interessantes. Esse […]

Portal Correio
Portal Correio

Portal Correio

Portal Correio

Ao projetar uma casa, a depender do gosto do cliente, arquitetos e urbanistas podem utilizar uma série de materiais para estruturar e compor os ambientes, como madeiras, concreto aparente, alvenarias de tijolos cerâmicos, etc. E quando o gosto se refere a uma estética rústica, o uso do concreto ciclópico é uma das alternativas interessantes. Esse componente construtivo é uma releitura contemporânea de meios tradicionais de construções com blocos de pedras sobrepostas ou unidas por argamassa.

Comumente esse material é utilizado na construção de fundações, muros de arrimo, barragens, pavimentação, paredes estruturais, contrafortes e detalhes ornamentais. Mas recentemente o concreto ciclópico está sendo aplicado em projetos residenciais no Brasil como expressão de rusticidade verdade construtiva, segundo arquiteto e urbanista e Prof. Me. Antônio Cláudio Massa, do curso de Arquitetura e Urbanismo do Unipê.

“O uso do concreto ciclópico para fins estruturais tem um bom custo benefício e, portanto, é bem indicado no Brasil para construções que exijam resistência e disponham do material rochoso adequado”, argumenta. Antônio aponta alguns exemplos que chamam a atenção dele: a Casa Gabriel Lunardelli, do arquiteto Carlos Bratke; a Casa Del Horizonte, do arquiteto Jesus Aparício; e o ateliê Taliesin Oeste, do arquiteto Frank Loyd Wright.

Afinal, o que é esse material?

O concreto ciclópico é muito conhecido como fundo de pedra argamassada. É um tipo de componente construtivo formado pela incorporação de pedras grandes, ou as chamadas pedras de mão, que excedem as bitolas convencionais do concreto usinado. Ele une o que é típico de um concreto comum (areia, brita, cimento e água) e as pedras de mão. Dessa forma, arquitetonicamente falando, a estética rústica do material evoca várias construções tradicionais de civilizações antigas, como templos, tumbas e muralhas.

“Os concretos convencionais são classificados pela NBR 8953 de acordo com sua resistência, composição e normas de moldagem das peças. Já o concreto ciclópico é diferenciado pela dinâmica da sua execução, onde a colocação das pedras grandes pode ser feita com o uso de formas ou construídas por sobreposição aditiva, produzindo variados padrões estéticos segundo o formato e as dimensões das pedras”, explica.

“As vantagens do concreto ciclópico são a sua grande resistência a compressão e economia do concreto tradicional devido à substituição desse material pelo volume das grandes pedras”, finaliza Antônio.

Últimas