Cidades Avó e pai de Bernardo têm disputa judicial por relógio de ouro, diz advogado

Avó e pai de Bernardo têm disputa judicial por relógio de ouro, diz advogado

Objeto teria sido deixado na casa de Leandro quando a esposa dele ainda era viva

  • Cidades | Fernando Mellis e Márcia Francês, do R7

A avó materna e o pai de Bernardo Uglione Boldrini, menino encontrado morto em um saco plástico no Rio Grande do Sul, disputam judicialmente a posse de um relógio de ouro avaliado em R$ 50 mil. A informação é do advogado dela, Marlon Adriano Taborda. Segundo ele, Jussara Uglione reivindica desde 2010 objetos deixados na casa de Leandro Boldrini quando a filha dela, Odilaine Uglione, mãe de Bernardo, ainda era viva.

— O Leandro reteve bens pessoais da dona Jussara, um relógio Ômega de ouro, um relógio caríssimo, feito à mão, que foi do pai dela. Acho que vale uns R$ 50 mil. Houve a informação de que ele passou para outra pessoa e comprou um Vectra na época.

Segundo o advogado, os bens estavam com Odilaine porque Jussara pediu para guardá-los enquanto mudava da casa em que morava. Além do relógio, também teriam ficado na casa do casal fotos, joias, fotografias e louças vindas de Portugal. Depois da morte de Odilane, que supostamente cometeu suicídio no consultório do marido, a avó teria solicitado os objetos.

— Ele não devolveu, coisa de cinema isso aí.

O advogado Artur Adolfo Reimann defendeu Leandro Boldrini nesse processo e afirma que o cliente dele negava ter ficado com qualquer bem pertencente à ex-mulher.

— O que ela [Jussara] dizia que era dela e que estava com o genro foi entregue a ela, logo após a morte da filha. Ela reclamou o relógio, mas ele alegava que não sabia do tal relógio. 

Família está chocada, diz primo de pai de menino morto no RS

Relacionamento frio

Bernardo, que tinha 11 anos, foi encontrado morto em um matagal no interior de Frederico Westphalen (RS), na última segunda-feira (14). De acordo o depoimento de uma amiga do casal, suspeita de particpação no crime, o garoto teria morrido com uma injeção letal aplicada pela madrasta, Graciele Boldrini.

Taborda afirmou, ainda, que o relacionamento de Bernardo com o pai e a madrasta era frio.

— O pai trabalhava muito e não dava atenção e a madrasta não gostava dele, em momento algum foi descoberto de que ele foi agredido ou ameaçado.

Em um trabalho na escola, a professora teria pedido para as crianças desenharem qual o sonho delas e Bernardo desenhou uma chave e uma criança.

— [A professora perguntou:] "Por que a chave, Bernardo?" [O menino respondeu:] A chave é para eu entrar em casa, porque meu sonho é entrar em casa, porque eu tenho que pular o muro para entrar em casa. E essa criança, meu sonho é pegar minha irmã no colo, porque meu pai e minha madrasta não deixam. 

Ainda segundo o advogado, Leandro impedia, desde 2010, a visitação e a participação da avó na vida do neto. Ela teria dito que estava disposta a ficar com o menino, mas nunca tentou judicialmente a guarda.

— Não, porque nunca tivemos informação oficial sobre uma situação de risco.

"Quando a mãe era viva, eu tinha outra vida”, disse para avó menino encontrado em saco no RS   

Menino morto no RS pode ter sido dopado antes do crime, diz polícia

Últimas