Cidades Bares e restaurantes não podem virar casas de eventos, diz secretário

Bares e restaurantes não podem virar casas de eventos, diz secretário

O secretário de Saúde de João Pessoa, Adalberto Fulgêncio, divulgou um vídeo

Portal Correio

O secretário de Saúde de João Pessoa, Adalberto Fulgêncio, divulgou um vídeo nesta quinta-feira (3), em suas redes sociais, orientando para o cumprimento do que foi estabelecido nos decretos de flexibilização da economia, referentes aos bares e restaurantes da Capital. No comunicado, Fulgêncio afirmou que os estabelecimentos não poderão promover grandes aglomerações, nem se “transformarem” em casas de show.

Leia também: Anvisa divulga regras para autorização emergencial de vacina

“O que não pode ocorrer nem ontem, nem hoje e, principalmente no mês de dezembro, é que bares e restaurantes se transformem em casas de shows. Nós não podemos alugar um bar ou restaurante para que ele faça confraternizações e comemorações com mais de quatro pessoas, que é o que determinam os decretos de flexibilização. Então, o espírito da flexibilização é fazer com que as pessoas circulem com segurança sanitária e que não provoquem aglomeração”, disse Adalberto Fulgêncio.

Cumprimento do decreto

Fulgêncio falou que os decretos devem ser cumpridos, visto que tudo foi conversado tanto com a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) quanto com os próprios representantes dos estabelecimentos de João Pessoa.

“O decreto que regulamenta a flexibilização dos bares e restaurantes de João Pessoa, permite apenas a ocupação de 50% da capacidade desses estabelecimentos. E isso está dito de maneira muito clara, inclusive conversado com a Abrasel e com os bares e restaurantes”, completou o secretário.

Fiscalização

O secretário de Saúde informou que será feita uma força-tarefa para fiscalizar o cumprimento das recomendações pelos estabelecimentos. “A gente espera que isso seja cumprido. Estamos intensificando a fiscalização. Inclusive, haverá uma grande força-tarefa junto com a Secretaria Estadual de Saúde (SES), com o Procon, com a Sedurb, com as vigilâncias sanitárias e com o Ministério Público”, finalizou Fulgêncio.

Últimas