Cidades Com o peso da pandemia, como aliar carreira e bem-estar?

Com o peso da pandemia, como aliar carreira e bem-estar?

Conteúdo patrocinado. Sem conhecimento sobre um vírus do qual passamos a ser

Portal Correio

Conteúdo patrocinado. Sem conhecimento sobre um vírus do qual passamos a ser transmissores, o distanciamento social precisou e ainda precisa ocorrer para evitar riscos à saúde coletiva diante da Covid-19. Para manter o trabalho, os negócios e a economia girando, profissionais se dedicaram ainda mais. Tudo isso dificultou uma vida equilibrada quando o home office se tornou, para muita gente, viver para o trabalho. Algo que deixou, somado a outras circunstâncias, a população mais fragilizada, ansiosa e estressada.

Tarefas domésticas e a higienização constante dos ambientes são alguns desses aspectos. O ano não tem sido fácil para vida pessoal e profissional de muita gente, ainda mais trabalhando em casa – mesmo focados, precisamos de uma rotina para evitar fadiga. “O cérebro está extremamente carregado de novas informações, o medo se tornou um companheiro invisível e as consequências de tudo sobrecarregam a saúde mental”, analisa a profa. Maria Helena, coordenadora dos MBAs em Gestão de Pessoas e em Gestão Empresarial do Unipê.

Para ter mais bem-estar, Maria diz ser preciso ter autoconhecimento pessoal e profissional: saiba o momento certo de parar, entenda o que gera ansiedade ou leva ao estresse e, especialmente, o que lhe faz relaxar. Organize seus horários e tenha limites para início e término das atividades – faça no dia seguinte demandas que chegaram fora do expediente. Manter o local de trabalho organizado e aconchegante, com tudo por perto, pode ajudar, ainda que a iluminação, a cadeira, as distrações de casa e o desgaste da rotina doméstica dificultem. Para quem saiu do home office, é importante dividir as responsabilidades: evita-se a sobrecarga e o trabalho não fica fatigante.

Desenvolvimento profissional

A união do interesse profissional com os estudos é uma grande aliada da saúde mental: empenhar-se em algo que pode ajudar e melhorar a performance no trabalho será um diferencial competitivo, avalia Maria. Mas como se desenvolver sem que isso seja um peso nesse momento?

Estudar é sempre bom, mas conheça suas necessidades – alguns conteúdos podem não ser relevantes agora. Muita gente faz grandes esforços para iniciar estudos e diversas variáveis são importantes ao escolher um curso de aperfeiçoamento: uma delas é o deslocamento e horário. “Com a pandemia e o fortalecimento das aulas ao vivo sem sair de casa, os alunos tiveram a oportunidade de desmistificar o método”, lembra.

Maria diz que a pandemia fortaleceu a ideia de que a estabilidade está mais em nós e não nas empresas que estamos inseridos. Para alcançar os objetivos de curto, médio e longo prazo, é preciso ter organização mental das metas. “Os nossos objetivos pessoais e profissionais precisam estar alinhados, projetos que estavam adormecidos podem ser desenvolvidos, e não espere que as coisas aconteçam sem o seu esforço e empenho. Aproveitar os momentos e investir no que você tem de mais importante que é você”, pontua.

Maria considera: a pandemia inviabilizou projetos e antecipou o futuro. “Uma das consequências que vieram para ficar foi o trabalho remoto, pessoas mais rápidas, exigentes e ansiosas, profissionais multifacetados e a certeza de que somos seres únicos, com necessidades reais que precisam ser atendidas. A pandemia nos mostrou a necessidade de um olhar mais empático e a certeza de que nada mais será como antes”, conclui.

Últimas