Lojas são interditadas por comércio de celulares sem procedência em Porto Alegre

Ação integrada apreendeu aparelhos oriundos de furtos e roubos que acontecem, segundo a Brigada Militar, na área central da capital

Através do MEI dos aparelhos, policiais fizeram a conferência da procedência de cada unidade que estava nos endereços fiscalizados

Através do MEI dos aparelhos, policiais fizeram a conferência da procedência de cada unidade que estava nos endereços fiscalizados

Guilherme Almeida

Cerca de 100 policiais militares, mais o efetivo da Guarda Municipal da capital, fiscais da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico (SMDE), Corpo de Bombeiros Militar e cães do 1º Batalhão de Polícia de Choque, participaram de uma operação integrada com foco no combate ao roubo, furto e receptação de aparelhos celulares da região central, na tarde desta sexta-feira. A ofensiva, coordenada pelo comandante do 9º Batalhão de Polícia Militar (BPM), tenente-coronel Luciano Moritz Bueno, ocorreu na Rua Voluntários da Pátria e teve como foco levar a segurança para a população e a certeza de espaço livre, ou seja, sem o controle de algum grupo criminoso.

De acordo com o tenente-coronel, 51% dos roubos a pedestre que ocorrem na região central de Porto Alegre têm como foco principal os aparelhos celulares. “Estamos justamente combatendo e fiscalizando junto a espaços de conserto e técnicas, para identificar autores e minimizar o delito nas ruas. A responsabilidade da assistência é fazer conserto, mas não comprarem equipamentos oriundos de delitos”, destacou. Durante a fiscalização os policiais e fiscais da prefeitura encontraram celulares que não tiveram a confirmação legal de procedência. “Os proprietários foram conduzidos à Delegacia de Polícia pelo crime de receptação. Coube a SMDE fazer o fechamento e interdição do espaço”, disse. Os fiscais informaram que o procedimento ocorre devido ao “desvio de finalidade pelo funcionamento do alvará”, que permite o comércio de produtos lícitos. Os bombeiros também atuaram na fiscalização e conferência da documentação do Plano de Prevenção Contra Incêndios (PPCI).

O fechamento dos comércios, pelo menos três até as 15h, conforme o comandante, é importante para combater a venda de produtos oriundos da criminalidade. “Retirando de circulação esses pontos faz com que aquele delinquente que tentar comercializar o produto ilícito não encontre espaço. A nossa proposta é fazer diversas operações nesse segmento para minimizar esses espaços e fazer com que diminua o roubo a celular em Porto Alegre”, destacou. Na fase inicial, através de um trabalho de inteligência, diversos pontos foram mapeados. Bueno salientou que houve queda de 10% no furto e roubo de celulares no Centro, em relação ao mesmo período do ano passado.

Conforme o titular da Secretaria de Segurança de Porto Alegre, Rafão Oliveira, são os aparelhos que foram apreendidos na primeira fase da operação que vão parar na mão de criminosos. A integração, em sua visão, é fundamental para o combate desse tipo de delito. “Seguiremos com ações pontuais das forças do município junto com o Estado”, frisou. O comando do 9° BPM e da Guarda Municipal apostam na redução significativa desse tipo de crime nos próximos dias.

Os números da ofensiva ainda não foram divulgados pela Brigada Militar.