Diário Digital Família de técnico de som que morreu afogado vai ser indenizada

Família de técnico de som que morreu afogado vai ser indenizada

Quase sete anos depois, a 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, determinou que familiares de Cleber Sanches Araújo, de 30 anos, sejam indenizados em R$ 60 mil, pela morte por afogamento do técnico de som durante uma festa de baile funk, numa casa na Vila Nasser, em Campo Grande. […] O post Família de técnico de som que morreu afogado vai ser indenizada apareceu primeiro em Diário Digital.

Quase sete anos depois, a 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, determinou que familiares de Cleber Sanches Araújo, de 30 anos, sejam indenizados em R$ 60 mil, pela morte por afogamento do técnico de som durante uma festa de baile funk, numa casa na Vila Nasser, em Campo Grande. Conforme a decisão dos desembargadores, os organizadores do evento ainda vão ter que pagar pensão.

Segundo consta no processo, conforme o boletim de ocorrência e do depoimento das testemunhas, no ano de 2013, em uma festa durante a madrugada, a vítima pulou na piscina do local, após o evento ter acabado, e morreu devido a um afogamento.

O local foi alugado para a realização de uma festa que, segundo seus organizadores, não incluía acesso à piscina. Após o final do evento, cerca de cinco pessoas ingressaram na piscina, incluindo a vítima, que sabia nadar mas estava alcoolizada.

Após serem condenadas em primeiro grau, a dona do imóvel de eventos e a organizadora da festa ingressaram com Apelação Cível alegando culpa exclusiva da vítima e que não cabia a contratação de salva-vidas, pois não estava incluso o ingresso na piscina do local.

Argumentaram ainda que não devem arcar com pensão, no valor de 1/3 do salário-mínimo, uma vez que não há presunção de que o falecido filho contribuía na manutenção da casa dos pais e que, inclusive, o genitor era dono de um comércio.

Porém, para o relator do recurso, Des. Eduardo Machado Rocha, a organização agiu com negligência ao realizar a festa sem o devido alvará de funcionamento, bem como sem a presença de salva-vidas ou outro meio para impedir o acesso dos convidados à piscina.

Ainda segundo o magistrado, o dano moral é necessário se tratando de morte de filho maior e sendo família de renda baixa, a dependência econômica também é presumida.

Após a oitiva das testemunhas, tanto na fase policial como judicial, restou comprovado que a responsável pela festa não tinha alvará de funcionamento, nem havia comunicado a PM sobre a festa, tampouco um salva-vidas.

“Pela teoria do risco do empreendimento, aquele que se dispõe a fornecer bens e serviços tem o dever de responder pelos fatos e vícios resultantes dos seus negócios, independentemente de sua culpa, pois a responsabilidade decorre da atividade de produzir, distribuir e comercializar ou executar determinados serviços”, disse.

Ficou demonstrado também a conduta negligente da vítima ao pular na piscina quando do término da festa, e após várias horas consumindo bebida alcoólica. “Desse modo, reconhecendo a causa concorrente, fica a responsabilidade da parte ré atenuada, consoante preconiza o art. 945 do Código Civil”, definiu o relator.

Com a decisão, ficou definido que o valor da indenização por dano moral é de R$ 60 mil, dividida para os três autores. Também terão direito à pensão, no valor de 1/3 do salário-mínimo, até a data que a vítima completaria 65 anos.

O post Família de técnico de som que morreu afogado vai ser indenizada apareceu primeiro em Diário Digital.

Últimas