Diário Digital Feminicidas não se mostram arrependidos e ainda tentam culpar as mulheres pelo crime

Feminicidas não se mostram arrependidos e ainda tentam culpar as mulheres pelo crime

Números assustadores de feminicídios em Mato Grosso Sul disparam e a Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam) chama atenção para o fato de que nenhuma das vítimas fizeram boletim contra os suspeitos, ou solicitaram medida protetiva. No total, foram nove casos de feminicídios desde o início de 2022, conforme a Deam. Em coletiva, na […] O post Feminicidas não se mostram arrependidos e ainda tentam culpar as mulheres pelo crime apareceu primeiro em Diário Digital.

Números assustadores de feminicídios em Mato Grosso Sul disparam e a Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam) chama atenção para o fato de que nenhuma das vítimas fizeram boletim contra os suspeitos, ou solicitaram medida protetiva. No total, foram nove casos de feminicídios desde o início de 2022, conforme a Deam.

Em coletiva, na manhã desta quarta-feira (09), as delegadas Maíra Pacheco e Ana Paula Trindade esclareceram os feminicídios ocorridos em Campo Grande, nos dias 26 de janeiro e 8 de fevereiro.

Diário Digital

Diário Digital

Diário Digital
Vítima de violência pode procurar a Deam (Foto Luciano Muta)


De acordo com as delegadas, em exatos 39 dias, nove mulheres foram mortas por companheiros e em todos os casos familiares e amigos sabiam das agressões, mas as vítimas não registram nenhum tipo de ocorrência. Um dos casos mais cruel registrado em na Capital foi a morte de Francielle Guimarães Alcântara, de 36 anos.


De acordo com a delegada responsável pelo caso Maíra Pacheco , a vítima foi torturada até a morte pelo marido Adailton Freixeira da Silva, de 46 anos, preso 72h depois em Mato Grosso. Inicialmente, Adailton negou o crime, mas acabou confessando que batia na mulher e a mantinha presa em casa com os filhos. Segundo ele, toda a tortura foi uma forma de punição, pois, ela havia se relacionado com outro homem, mas na época estava separada de Adailton.

Diário Digital

Diário Digital

Diário Digital
Delegada Maíra Pacheco (Foto Luciano Muta)


Em depoimento, Adailton disse que cortou cabelo da vítima e que as lesões nas nádegas foram causadas por um tombo, e depois ele bateu na mesma região com um pedaço de madeira e ainda passou lamina e jogou água oxigenada. "Frio e não apresentava nenhum tipo de arrependimento, ele quis culpar a mulher pela morte, ele disse que não matou Francielle e que as lesões no pescoço ocorreram por ela ter tentado suicídio", explicou a delegada.


A respeito dos filhos do casal, o menor de 17 anos, foi ouvindo e disse que sabia das agressões, mas que eram feitas no quarto e que a mãe nunca gritou, mas sempre parecia triste. Em depoimento, o adolescente alegou que não podia falar nada por que era proibido pelo pai.


O caso mais recente em Campo Grande foi a morte da jovem Natalin Nara Garcia, de 22 anos, que foi assassinada pelo marido Tamerson Ribeiro, de 31, que está preso. A delegada responsável pelo caso Ana Paula Trindade , disse que a vítima foi morta na madrugada da última sexta-feira (4), e teve o corpo desovado na mesma data, na BR 060.

Diário Digital

Diário Digital

Diário Digital
Delegada Ana Paula Trindade (Foto Luciano Muta)


Conforme a delegada, Tamerson não se mostrou arrependido do crime e tentou fazer justiça pelo fato de Natalin ter o costume de sair para beber com as amigas. O casal tem uma filha de quatro anos que não é filha biológica do suspeito, mas ele registrou.


Natalin tinha o costume de sair com amigas e deixar ele em casa com a filha, algo que Tamerson não se mostrava em incomodado de fazer, mas admite que matou a esposa como se mata um leão por que a vítima chegou bêbada e agredindo o mesmo.


"Frio e calculista Tamerson matou Natalin, levou a filha para a escola com o corpo da mãe no porta-malas depois jogou na BR 060 e saiu com uma garota de programa e agiu tranquilamente quando os policiais do Grupo de Operações e Investigações (GOI), ele disse que Natalin tinha ido embora para outro Estado e deixado a filha com ele. Versão essa que a própria filha de quatro anos afirmou que o pai teria dito que a mãe morreu no hospital", disse Ana Paula Trindade.


De acordo com a delegada, Tamerson tentou esconder o crime, falando que a mulher tinha ido embora, mas a versão não convenceu uma amiga da vítima que procurou por ele, alegando que iria fazer um boletim de ocorrência, com medo do mesmo. Ela resolveu se passar pela esposa e mandou mensagem para amiga" dizendo que estava tudo bem, e um longe texto de despedida".


Segundo a Deam, o número de casos de feminicídio registrados em Mato Grosso do Sul, neste ano, subiram para nove Na maior parte dos casos, as mulheres foram mortas de forma brutal.

Diário Digital

Diário Digital

Diário Digital
Diário Digital

Diário Digital

Diário Digital
Diário Digital

Diário Digital

Diário Digital
Foto Luciano Muta

O post Feminicidas não se mostram arrependidos e ainda tentam culpar as mulheres pelo crime apareceu primeiro em Diário Digital.

Últimas