Cidades Especialista alerta para sinais do câncer de cabeça e pescoço

Especialista alerta para sinais do câncer de cabeça e pescoço

Maus hábitos alimentares, tabagismo, ingestão de bebidas alcoólicas, incidência de raios solares

Portal Correio

Maus hábitos alimentares, tabagismo, ingestão de bebidas alcoólicas, incidência de raios solares sem proteção, má higiene oral e HPV (sigla em inglês para Papilomavírus Humano) são fatores de risco evitáveis para o câncer de cabeça e pescoço. Enquadram-se nesse tipo de câncer os tumores de lábios, cavidade oral, faringe, laringe, cavidade nasal e tireoide.

Leia também: JP lidera ranking de transparência na pandemia

Neste mês, quando se realiza a campanha Julho Verde (de conscientização sobre esse tipo de câncer), o alerta para a doença se torna mais frequente. Mas a população precisa ficar atenta aos sinais durante todo o ano. É o que afirma o médico Uirá Coury, cirurgião de cabeça e pescoço e chefe de Cirurgia Geral do Hospital Universitário Alcides Carneiro (HUAC-UFCG/Ebserh), em Campina Grande.

Coury explica que o diagnóstico precoce faz uma grande diferença no tratamento do câncer de cabeça e pescoço. “É fundamental para aumentar as chances de cura, que são superiores a 80% quando há tratamento”. Ele destaca que a prevenção dos tumores de cabeça e pescoço está diretamente relacionada à mudança de hábitos nocivos, como tabagismo e consumo de álcool, que são comprovadamente fatores de risco para esse tipo de câncer. Outro fator de risco, muitas vezes ignorado pela população, diz o especialista, é a infecção pelo vírus HPV e a prática de sexo oral sem o uso de preservativos.

Com presença ativa nas redes sociais para orientar a população sobre o tema, o cirurgião aponta a quais sinais as pessoas devem prestar atenção: aftas/úlceras/verrugas na boca; caroço no pescoço; rouquidão; dificuldade para engolir/respirar; e perda de peso por mais de 15 dias associado aos fatores citados anteriormente. Essas informações, ressalta o médico, são baseadas em orientações da Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço.

“Caso o indivíduo apresente esses sintomas, deve procurar ajuda médica com urgência”, afirma Uirá Coury. O chefe da Cirurgia Geral do HUAC ainda lembra que a instituição dispõe de três cirurgiões de cabeça e pescoço, mas, devido à pandemia, no momento, há dois em atividade. Seguindo as orientações estabelecidas pelos órgãos de saúde e as medidas adotadas no hospital universitário para o enfrentamento do coronavírus e, evitando assim, aglomerações, o mutirão do Julho Verde não foi realizado neste ano. Nas ações anteriores, “o percentual de casos positivos nos mutirões foi em torno de 10% das pessoas atendidas; uma parte delas conseguiu diagnóstico e tratamento precoce”, ressalta Coury.

Estatísticas

Dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca) dão a dimensão da importância de se orientar a população sobre o câncer de cabeça e pescoço. Segundo o Inca, esse tipo de câncer é o segundo mais incidente em homens no Brasil, com quase 20.000 casos. Além disso, o câncer de cavidade oral é o quarto mais incidente em homens na região Nordeste e o segundo na Paraíba, com 11,88 casos a cada 100.000 pessoas.

O Instituto Nacional do Câncer também projeta um aumento nos casos de câncer de tireoide: de 9.610 casos em 2018 para 13.780 ao ano no triênio 2020-2022. A combinação dos hábitos de fumar e consumir álcool aumenta em 20 vezes a chance de um câncer de cabeça e pescoço, e em 30 vezes as chances de um câncer de boca.

Confira reportagem da TV Correio: 

Últimas