Cidades Família está chocada, diz primo de pai de menino morto no RS

Família está chocada, diz primo de pai de menino morto no RS

Criança de 11 anos foi enterrada nua em matagal; pai, madrasta e amiga estão presos

  • Cidades | Márcia Francês, do R7

O primo e amigo de infância de Leandro Boldrini, de 38 anos, suspeito de participação na morte do filho, deve assumir a defesa do parente. O advogado Andrigo Rebelato foi chamado pela família do médico, que está chocada com o crime.

— Eu fui procurado pelos irmãos e pelo pai e pela mãe, que são pessoas que estão chocadas com o acontecido, e querem que eu tenha esse primeiro contato com ele para ver o que ele tem a dizer, enfim, se tem algo a falar ou não.

Rebelato disse que ainda não teve acesso aos autos e não definiu sua estratégia de defesa. Ele disse deve falar com o primo em breve.
 

"Quando a mãe era viva, eu tinha outra vida”, disse para avó menino encontrado em saco no RS   Menino morto no RS pode ter sido dopado antes do crime, diz polícia

O crime

Bernardo Uglione Boldrini, de 11 anos, desapareceu no dia 4 de abril, em Três Passos, no inteiror do Rio Grande do Sul. Durante a tarde, o menino teria ido a Frederico Westphalen com a madrasta e uma amiga comprar uma televisão. Quando voltou a Três Passos, ele teria dito que passaria o fim de semana na casa de um amigo e não foi mais visto. 

Após dez dias desaparecido, o corpo da criança foi encontrado na noite da última segunda-feira (14), em um matagal de Frederico Westphalen, cidade a 80 km de Três Passos. O cadáver estava nu dentro de um saco enterrado em uma propriedade rural. 

No mesmo dia, o pai, o médico Leandro Boldrini, a madrastra, a enfermeira, Graciele Boldrini, e uma amiga, a assistente social, Edelvânia Wirganovicz, foram presos preventivamente suspeitos de participação no crime. Foi Edelvãnia que indicou onde estava o corpo da criança. Ela também contou à polícia que Graciele dopou o menino e depois aplicou uma injeção letal

Segundo investigações da polícia, a madrasta e a amiga teriam misturado pílulas dopantes no suco do menino, que adormeceu em seguida e foi assassinado. O pai, Leandro Boldrini, seria suspeito de ocultar informações sobre o crime e pistas que comprometiam Graciele.

Últimas