Folha Vitória 200 anos da Independência: veja curiosidades sobre o 7 de Setembro

200 anos da Independência: veja curiosidades sobre o 7 de Setembro

Em comemoração ao bicentenário da Independência, listamos sete curiosidades do movimento que possibiltou a separação do Brasil da Corte Portuguesa, em 1822

Folha Vitória
Foto: WikimediaCommons/Reprodução
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Esta quarta-feira (07) é uma data especial para a história do Brasil. O país celebra os 200 anos da Independência da Coroa Portuguesa. As terras brasileiras são ricas em diversidade da fauna, flora e de culturas antes mesmo de ser descoberta pelos desbravadores de Portugal em 1500.

>> Quer receber nossas notícias 100% gratuitas pelo WhatsApp? Clique aqui e participe do nosso grupo de notícias!

Em comemoração ao bicentenário da Independência, o Folha Vitória separou algumas curiosidades que marcaram a trajetória do movimento que terminou no grito de Dom Pedro I, às margens do Rio Ipiranga: "Independência ou morte".

Quadro do Grito da Independência é ilustrativo

Por falar em grito, este é um dos principais marcos da data. A cena foi registrada em 1988 pelo pintor Pedro Américo. Na obra, Dom Pedro I é retratado cercado pela guarda imperial.

Os historiadores, no entanto, afirmam que a imagem é apenas ilustrativa. O que é mostrado no quadro "Grito do Ipiranga" não retrata fielmente o que aconteceu. Um dos exemplos é a presença da guarda imperial ao lado de Dom Pedro. O grupo não existia em 1822, quando ocorreu a proclamação da Independência. 

LEIA TAMBÉM: Feriadão de 7 de setembro: como vão funcionar supermercados, shoppings e comércio no ES

Outro ponto divergente entre a história e a pintura são os cavalos onde todos estão montados. Pesquisadores da história brasileira afirmam que, na época, os animais mais usados eram mulas. 

A imagem de Dom Pedro I com espada na mão possivelmente também não aconteceu. A cena ilustrada no quadro sugere que o príncipe tenha feito um discurso quando disse "independência ou morte", mas é provável que a frase tenha sido dita de forma natural e não durante um pronunciamento oficial.

Grito do Ipiranga ficou famoso anos depois

Um dos principais marcados da Independência, o grito de Dom Pedro às margens do Rio Ipiranga, em São Paulo, só ficou popularmente conhecido cerca de quatro anos depois, em 1826. 

LEIA TAMBÉM: Feriado será de tempo aberto e aumento de temperaturas no ES

Isso aconteceu após quadros em comemoração a Independência serem produzido pelos pintores da época. O principal e mais conhecido é o quadro de Pedro Américo.

Foto: WikimediaCommons/Reprodução
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Dom Pedro percorreu Ipiranga por conta de uma dor de barriga

Em agosto de 1822, Dom Pedro partiu do Rio de Janeiro com destino a São Paulo para resolver conflitos políticos. O príncipe e sua comitiva voltavam para casa quando receberam a notícia de que a Princesa Leopoldina, esposa do regente, assinou o decreto de independência do país. 

Segundo historiadores, a comitiva precisou passar pelas margens do Rio Ipiranga por conta de uma desinteiria intestinal de Dom Pedro. Ao longo da viagem, o grupo teve que fazer várias paradas não programadas para atender as necessidades do imperador. 

Independência não foi assinada por Dom Pedro I

Quando se fala em Independência do Brasil, é comum associar a imagem de Dom Pedro I. Mas, como você leu no tópico anterior, o documento que pôs fim a influência da Corte Portuguesa nas decisões para o povo brasileiro não foi assinado por ele. 

Leopoldina da Áustria, esposa de Dom Pedro e princesa regente durante a viagem do marido, foi quem assinou o decreto da Independência. 

A princesa se reuniu com o Conselho do Estado do Rio de Janeiro e assinou o documento após receber uma intimação da Corte Portuguesa para que a família retornasse a Europa. 

Independência do Brasil não aconteceu em 7 de setembro

Apesar da comemoração ser realizada em 7 de setembro, o decreto da Independência foi assinado cinco dias antes, em 2 de setembro de 1822. Na ocasião, Dom Pedro I estava viajando. 

A celebração da Independência acontece todos os anos em 7  de setembro porque foi a data em que o príncipe soube da separação e fez a proclamação da Independência. 

Movimento começou muito antes 

Apesar de ter ocorrido oficialmente em setembro de 1822, o movimento que levou a Independência do Brasil começou muito antes. 

Quando o pai de Dom Pedro I, Dom João VI, regia o Reino Unido de Portugual e Algares, o Brasil deixou de ser uma colônica e passou a fazer parte do reinado. Fugindo da invasão francesa, Dom João e a família veio ao Brasil e instalou a corte no Rio de Janeiro. 

LEIA TAMBÉM: Entenda motivo do protesto que fechou a Terceira Ponte

Após a derrota de Napoleão Bonaparte na Europa em 1815, vários protestos ocorrem em Portugal e outros países da região. Para acalmar os ânimos da popular e organizar a vida burocrática no país, Dom João VI voltou a Portugal. 

Um dos pedidos dos manifestantes era para que a Corte retornasse a Portugal. Dom Pedro, então regente do Brasil, no entanto, decidiu permanecer em terras brasileiras. Influenciado por estudiosos, parte da elite e movimentos populares locais, em 9 de janeiro de 1822, Dom Pedro anunciou a sua decisão. 

A data ficou conhecida como "Dia do Fico" e é considerada um primeiro indício da Independência do Brasil.

Independência custou dois milhões de libras esterlinas ao Brasil

Para que Portugal reconhecesse a Independência do Brasil foi necessário que a Corte Brasileira desembolsasse 2 milhões de libras esterlinas como forma de indenização. A exigência foi cobrada em 1825.

Como o país não tinha dinheiro nos cofres públicos, foi preciso fazer um empréstimo com a Inglaterra. Esse foi o início da dívida externa do Brasil.

Últimas