Folha Vitória 68 mil domicílios capixabas pediram empréstimos por conta da pandemia, aponta IBGE

68 mil domicílios capixabas pediram empréstimos por conta da pandemia, aponta IBGE

Ao todo, 5% das famílias ouvidas tentaram o recurso entre os meses de maio e julho; 54 mil domicílios conseguiram o recurso

Folha Vitória
Foto: Reprodução/ TJES
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória
Capixabas optaram por empréstimos financeiros diante da pandemia

Ao menos 68 mil domicílios capixabas pediram algum tipo de empréstimo financeiro por conta da pandemia. É o que aponta um levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Ao todo, 5% das famílias ouvidas tentaram o recurso entre os meses de maio e julho.

No estado, das famílias que pediram algum tipo de empréstimo, 54 mil domicílios conseguiram o recurso, mas 14 mil tiveram o pedido negado. Ainda de acordo com o IBGE, outros 1,3 milhões de capixabas optaram por não recorrer aos empréstimos financeiros durante o período.

O cenário nacional não foi muito diferente. Em todo o Brasil, ao menos 4 milhões de brasileiros recorreram aos empréstimos entre maio e julho. Desses, 3,3 milhões tiveram o pedido aceito, enquanto outros 762 mil, cerca de 19%, foram negados. Dos que contaram com algum tipo de empréstimo, cerca de 23,6% dos domicílios optaram por pegar emprestado com amigos e parentes.

Auxílio emergencial

A pesquisa mostrou ainda que a média de domicílios capixabas que receberam algum tipo de auxílio emergencial relacionado à pandemia é maior que a nacional. Enquanto 44,1% dos domicílios brasileiros ouvidos (30,2 milhões) receberam algum tipo de auxílio, no ES, 44,4%, do total (607 mil) receberam o auxílio.

Por outro lado, a proporção de famílias do país que receberam algum tipo de auxílio aumentou em julho. A porcentagem foi de 43,0% em junho para 44,1% em julho. A alta ocorreu em todas as Grandes Regiões brasileiras. Ainda segundo a pesquisa, o valor médio do benefício girou em torno de R$ 896 por domicílio.

O aumento nos pedidos de auxílio esbarra na quantidade de pessoas desocupadas no país em julho ante junho. Houve uma alta de 3,7% acima do total de junho (em termos absolutos, equivale a 438 mil pessoas), elevando os números para 12,3 milhões.

Últimas