Adolescente suspeito de participar da morte de comerciante na Serra tem extensa ficha criminal

Segundo a polícia, o suspeito, de 15 anos, se envolveu nesta segunda-feira em sua quinta ocorrência policial em menos de dez meses

Foto: Reprodução José Geraldo Rizzo foi morto a tiros durante um assalto, na manhã desta segunda-feira, na Serra

Um adolescente de 15 anos foi detido suspeito de participar do latrocínio que vitimou o comerciante José Geraldo Rizzo, de 61 anos, em Jardim Limoeiro, na Serra. A apreensão do suspeito aconteceu minutos após o crime, na manhã desta segunda-feira (14), e a poucos metros do local onde o comerciante foi baleado.

O suspeito, de acordo com a Polícia Militar, dirigia o carro usado pelos criminosos no momento do assalto. Ainda segundo os militares, o adolescente confessou que foi chamado para dirigir o carro e levar o comparsa até o local do roubo. Em depoimento, ele disse ter recebido R$ 1 mil para realizar o serviço.

"Os policiais militares receberam a informação de que um indivíduo em um veículo havia fugido do local. Logo à frente, os policiais militares conseguiram abordar esse veículo. O condutor tentou fugir, mas foi detido e aí sim verificamos que tratava-se de um menor, de 15 anos de idade, com uma extensa ficha criminosa", contou o tenente-coronel Leonardo Celante.

Apesar da pouca idade, o suspeito já é um velho conhecido da polícia. De acordo com a PM, o latrocínio que resultou na morte do comerciante já é a quinta ocorrência policial, em menos de dez meses, envolvendo o adolescente.

"Ele tem uma passagem criminal, em dezembro de 2019 — foi apreendido com um veículo roubado. No mês de fevereiro, ele tentou assaltar um policial militar e roubar o veículo desse policial. Em julho deste ano, ele foi preso com cocaína e maconha, realizando tráfico de entorpecentes, e novamente foi preso, agora no mês de agosto, também traficando maconha no município de Serra", informou Celante.

O outro suspeito, de acordo com a PM, fugiu a pé, assim que atirou contra o comerciante. A polícia disse que está trabalhando na identificação desse suspeito, que ainda não foi localizado.

A Polícia Militar também confirmou que a vítima estava com um malote com cerca de R$ 53 mil em dinheiro e que, no momento do crime, ia até uma agência bancária fazer o depósito. 

Um conhecido da vítima informou que essa era a rotina do comerciante. José Geraldo ia todas as segundas-feiras, pela manhã, depositar os valores altos na mesma agência bancária. Inclusive, segundo o conhecido, antes ele ia com um funcionário, mas ultimamente estava preferindo ir ao banco sozinho. 

O tenente-coronel alertou para que as pessoas evitem situações como esta, de transportar grandes quantias de dinheiro. "Que adotem outra maneira de fazer depósitos de grandes quantias de dinheiro, que não essa que a gente viu hoje e que, infelizmente, terminou de maneira trágica", ressaltou Celante.

O crime

José Geraldo, que era dono de uma rede de supermercados na Serra, foi morto com três tiros na porta de uma agência bancária, em uma movimentada rua de Jardim Limoeiro, nesta segunda-feira. Depois de atirar na vítima, o assaltante teria levado a pistola do comerciante. 

Segundo a polícia, a vítima tinha porte de arma de fogo. O comerciante chegou a ser socorrido por populares, no próprio veículo, e levado para um hospital, mas não resistiu.

Na tarde desta segunda-feira, familiares de José Geraldo foram até o Departamento Médico Legal (DML) de Vitória para fazer a liberação do corpo. José Geraldo deixou esposa e três filhos. 

A Polícia Civil vai investigar o caso e a Polícia Militar garante que continuará em busca do segundo suspeito do crime. 

Com informações da repórter Milena Martins, da TV Vitória/Record TV