Folha Vitória Advogado de Vitória preso por agredir companheira por causa de senha de computador é liberado

Advogado de Vitória preso por agredir companheira por causa de senha de computador é liberado

Decisão judicial liberou o homem sem precisar pagar fiança mas ele não poderá deixar sua residência das oito da noite às seis da manhã

Folha Vitória
Foto: pexels
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

O advogado de 47 anos, morador de Jardim da Penha, em Vitória, preso no último sábado (14), no Centro de Detenção Provisória de Viana, por agredir a companheira com socos, pontapés e tentativa de enforcamento com fio de telefone, foi liberado após audiência de custódia e por decisão judicial, segundo a Secretaria de Estado da Justiça (Sejus). A discussão teria iniciado por causa de uma senha de computador, segundo a vítima, uma enfermeira.

O alvará de soltura foi expedido pelo juiz Arion Mergar na tarde deste domingo (15). O agressor foi liberado sem precisar pagar fiança. No entanto, segundo o alvará, ele não poderá sair da Grande Vitória sem autorização do Judiciário e deverá se manter recolhido em sua residência das 20h às 6h da manhã, enquanto durar o processo. Caso ele descumpra os termos, poderá ter decretada prisão preventiva. 

Relembre o caso

Um advogado de 47 anos foi preso após agredir a companheira, na tarde do último sábado (14), no bairro Jardim da Penha, em Vitória. A vítima, de 46 anos, que é enfermeira, ficou com marcas nas mãos, olhos e pescoço. 

A enfermeira contou que a discussão começou por causa da senha de acesso do computador portátil do casal. Ele foi encaminhado para o  Centro de Triagem de Viana.

De acordo com a vítima, o homem a jogou no chão, chutou, bateu e apertou seu pescoço. "Pegou o fio do telefone e deu duas voltas no meu pescoço. Eu empurrei ele. Ele caiu e bateu o rosto na quina da cama", disse.

O advogado foi preso em flagrante. Por causa da queda, ele precisou levar pontos na testa. A agressão aconteceu dentro do apartamento do casal. Os vizinhos chamaram a polícia.

Ainda de acordo com a enfermeira, o casal mora junto há dois anos e as agressões começaram em janeiro. A vítima pediu medida protetiva contra o companheiro.

Últimas