Folha Vitória Amamentação pode ser mantida em casos suspeitos ou confirmados de covid-19

Amamentação pode ser mantida em casos suspeitos ou confirmados de covid-19

O leite materno diminui riscos de mortalidade infantil, protege contra diarreias, infecções e alergias e pode prevenir doenças da vida adulta, além de contribuir na qualidade da saúde da mulher

Folha Vitória
Foto: Divulgação
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Uma ferramenta nutricional econômica, eficaz e acessível: a amamentação pode reduzir em 13% a mortalidade infantil e em 6% o risco de câncer de mama a cada ano em que a mulher amamenta. 

Entretanto, no Brasil, apenas 45,7% dos bebês são alimentados exclusivamente com leite materno nos seis primeiros meses de vida, conforme a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Durante a pandemia do novo coronavírus, surgiram muitas dúvidas sobre possíveis problemas relacionadas ao aleitamento materno e a doença. Especialistas defendem que a amamentação não deve ser interrompida em casos suspeitos ou confirmados da infecção.

"As mães lactantes com suspeita ou caso confirmado de covid-19, que estão bem e desejam amamentar não precisam interromper o aleitamento materno, desde que respeitem todas as condições de higiene, que tem o propósito de reduzir o risco de transmissão do vírus através de gotículas respiratórias durante o contato com a criança", esclarece Sílvia Piza, presidente da Comissão Nacional de Aleitamento Materno

Gestantes e lactantes devem se imunizar contra covid-19

Além disso, as gestantes e lactantes que estejam aptas devem se imunizar contra a Covid-19, pois, segundo recomendação da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), a vacinação, além de proteger as mães, diminui o risco de transmissão do vírus aos amamentados. 

Outro ponto defendido pela SBP é que, após a vacinação, o leite materno contém anticorpos que potencialmente podem proteger os bebês e crianças.

Veja quais são os benefícios da amamentação

A amamentação apresenta inúmeros benefícios, uma vez que o leite materno é rico em proteínas, imunoglobulinas e diversos componentes de defesa, que são transmitidos de forma passiva para o recém-nascido. 

Dessa forma, há benefícios no sistema imunológico e no microbioma intestinal dos bebês, conferindo proteção contra diarreias, infecções e alergias. Ainda pode prevenir a ocorrência de doenças da vida adulta, como hipertensão, colesterol alto e diabetes. 

"Assim, o ato de amamentar tem influência direta no estado nutricional, prevenção de doenças, desenvolvimento cognitivo e emocional da criança e também na saúde à longo prazo", pontua Silvia.

O leite materno contém todos os nutrientes necessários para a criança durante os seis primeiros meses de vida. A especialista explica que "não é necessário dar nenhum outro tipo de alimento ou complemento, inclusive pelo receio de que o leite esteja fraco". 

"A composição do leite materno varia de acordo com as fases de evolução do recém-nascido e suas necessidades. Assim, o leite inicial é mais diluído no princípio da mamada, saciando a sede; e vai se tornando mais consistente, com mais lipídeos, satisfazendo as necessidades calóricas e nutricionais. Deste modo, a alternância das mamas em cada mamada deve ser realizada quando a mama ofertada primeiramente, se esvaziou completamente, para que o leite materno nas suas diferentes formas de composição seja totalmente aproveitado", explica.

Benefícios para o bebê e para a mãe

Também, na saúde da mulher, a amamentação traz benefícios não apenas imediatos, mas também tardios.

A médica ressalta que "o ato de amamentar provoca reações na saúde física e psíquica da mãe, favorecendo o retorno às condições pré-gravídicas mais rapidamente, como a contratilidade e involução uterina, retorno do peso anterior à gestação, além de fortalecer o vínculo afetivo entre mãe e filho. Mais tardiamente, o aleitamento materno pode reduzir o risco de doenças, como câncer de mama e ovário".

Anticoncepcionais devem continuar sendo usados

No que se refere à anticoncepção, embora a amamentação exclusiva bloqueie inicialmente a ovulação, mesmo na ausência das menstruações, é recomendável o uso de método anticoncepcional após cerca de 40 dias do parto

Nesse caso, métodos de barreira, como preservativos e DIUs não hormonais podem ser utilizados. 

O contraceptivo oral ou injetável a base de progestogênios são compatíveis com o aleitamento materno, assim como o DIU hormonal contendo esse mesmo tipo de hormônio, por não interferirem na qualidade, volume e produção do leite, e não apresentarem risco de transferência para o recém-nascido.

Últimas