Folha Vitória Após adiar o casamento por causa da pandemia, mulher morre por complicações da covid-19 no ES

Após adiar o casamento por causa da pandemia, mulher morre por complicações da covid-19 no ES

No início do ano, a empreendedora Veridiana Duarte de Almeida, de 34 anos, e o professor Vinícius Telles haviam agendado o casamento para este mês. No entanto, ela morreu cerca de 15 dias após apresentar os primeiros sintomas

Folha Vitória
Foto: Reprodução
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

O sonho do casamento adiado por causa da pandemia da covid-19 e definitivamente encerrado após complicações provocadas pela própria doença. Esse foi o triste destino da gestora de mídias sociais e empreendedora Veridiana Duarte de Almeida, de 34 anos. Moradora de Vitória, ela acabou sendo mais uma vítima do novo coronavírus no Espírito Santo e hoje faz parte das mais de 4 mil pessoas que já perderam a vida em decorrência da doença no estado.

A empreendedora pretendia se casar com o professor Vinícius Telles. No início do ano, os dois haviam marcado o casamento para este mês. No entanto, com a chegada da pandemia ao estado em março, os planos foram inicialmente adiados. 

"A gente tinha programado, no início do ano, que o nosso casamento seria agora, no dia 13 de novembro. Agora era para a gente estar em lua de mel. Mas, por causa da pandemia, logo no início do ano a gente resolveu não dar continuidade, alugar buffet e o cerimonial. Para esperar um pouco, porque a gente queria festa. Ela gostava de festa, gostava de celebrar os momentos bons", disse.

A empreendedora, que viu na sua paixão pela culinária uma forma de manter seus rendimentos após o impacto da pandemia, sempre teve medo da doença, que, infelizmente, evolui muito rápido em seu organismo. "Foram 15 dias desde o primeiro sintoma que a Vêri sentiu. Começou com uma tosse contínua, com uma febre leve. Depois dores no corpo, perda de olfato", conta o professor.

Vinícius lembra que "Vêri", como era conhecida entre familiares e amigos, era uma pessoa alegre e que gostava de viver. Para ele, a noiva sempre será lembrada pelo seu sorriso.

"Incentivava as pessoas a serem melhores, a fazerem aquilo que elas gostavam de fazer e a darem o seu melhor naquilo que faziam. Falar da Vêri é falar do seu sorriso, da sua alegria contagiante, da capacidade de transformar o ambiente que estava triste em um ambiente alegre. É falar de uma mulher que mudou a minha vida para melhor e que hoje não está do meu lado", lamentou.

O professor também faz um apelo para que as pessoas mantenham os cuidados para evitar a propagação do coronavírus. Segundo ele, a noiva era cuidadosa com relação a isso e, mesmo assim, foi infectada.

"Eu peço para as pessoas se cuidarem. Cuidem-se! Não relaxem! Usem máscara, limpem as mãos, tomem o máximo de cuidado possível. A Vêri era uma pessoa que tomava todo cuidado, mas, infelizmente, isso aconteceu".

Últimas