Folha Vitória Após dia de manifestações, Transcol circula normalmente nesta quarta-feira

Após dia de manifestações, Transcol circula normalmente nesta quarta-feira

Na tarde desta terça-feira (14), a Justiça proibiu que novas manifestações voltem a ser realizadas na Grande Vitória

Folha Vitória
Foto: Iures Wagmaker / Folha Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

No dia seguinte à uma manifestação, que deixou toda a Grande Vitória sem ônibus por algumas horas, a circulação dos coletivos do sistema Transcol ocorre normalmente na manhã desta quarta-feira (14). Por decreto do governo do Estado, eles estão autorizados a operarem das 5h às 22 horas, até sexta-feira (16).

Na tarde desta terça-feira (14), a Justiça proibiu que novas manifestações voltem a ser realizadas na Grande Vitória, garantindo, dessa forma, a circulação de 100% da frota dos ônibus nesta quarta. De acordo com a decisão, o Sindirodoviários deve se abster de realizar novas manifestações que importem na paralisação do transporte público intermunicipal, não podendo bloquear, impedir ou tumultuar o trânsito na região metropolitana e nem bloquear ou impedir a saída dos ônibus das garagens das empresas. Caso o sindicato descumpra a determinação, estará sujeito a uma multa diária no valor de R$ 100 mil.

A decisão é da juíza do plantão judiciário, Ana Cláudia Rodrigues de Faria, e foi proferida após ação apresentada pela Procuradoria-Geral do Estado. Em sua decisão, a magistrada destacou que a paralisação promovida pelo Sindirodoviários ocorreu sem qualquer aviso prévio.

"Há que se destacar que estamos numa situação de pandemia, com taxa de contaminação bastante alta, e o fato de os ônibus não terem cumprido seus horários e trajetos fez com que as pessoas que foram para os pontos e terminais ficassem aglomeradas, já que o fluxo de pessoas que chegava não saía", afirmou a juíza na decisão.

A reivindicação feita pelos rodoviários, durante a manifestação da manhã desta terça-feira, é pela prioridade na fila da vacinação para rodoviários de transporte coletivo. Segundo o sindicato, a preocupação é com o crescente número de casos da doença em meio aos profissionais da categoria.

No entanto, a magistrada ressaltou que esse tipo de decisão não cabe ao governo estadual. "Embora a reivindicação dos rodoviários seja compreensível, é certo que não cabe ao governo do Estado estabelecer a ordem de prioridade para aplicação da vacina, haja vista que isso é definido em plano nacional de vacinação, elaborado pelo Ministério da Saúde. Assim, a manifestação em questão sequer é o meio adequado para que a reivindicação dos rodoviários seja acolhida".

A reportagem entrou em contato com o diretor do Sindirodoviários, Valdeci Laurindo, que garantiu que o sindicato vai cumprir a decisão judicial e não promoverá nenhuma paralisação dos ônibus nesta quarta-feira.

Últimas