Folha Vitória Aposentada é vítima de golpe após assinar contrato com suposta financeira

Aposentada é vítima de golpe após assinar contrato com suposta financeira

A aposentada Ana Lúcia Tecianelli, de 60 anos, contratou o serviço de empréstimo pela internet

Folha Vitória
Foto: Reprodução / TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Depois de contratar o empréstimo de uma suposta financeira, uma aposentada descobriu que foi enganada. Após pagar uma série de taxas, em decorrência do serviço, ela viu a vida virar de cabeça para baixo ao se deparar com o tamanho da dívida que se formou.

Assim como boa parte dos brasileiros, a aposentada Ana Lúcia Tecianelli, de 60 anos, tinha o hábito de fazer economias e juntar um dinheiro. No caso dela, especificamente, o objetivo da economia era presentear o filho que iria casar. 

Ela conseguiu comprar o presente do filho e enquanto navegava na internet, dias depois, encontrou um anúncio que, a princípio, seria a solução dos problemas, mas com o tempo tudo se transformou em uma verdadeira dor de cabeça.

Na internet, a aposentada encontrou o anúncio de uma financeira. As informações da divulgação atraíram a mulher, que decidiu entrar em contato com a empresa através de um aplicativo de mensagens. A negociação foi efetuada e tudo ocorreu através do telefone, como os valores anunciados estavam dentro do ideal, Ana Lúcia decidiu fechar negócio.

"Me fizeram a proposta de R$ 70 mil com 1,18% de juros. Eu aceitei porque estava interessada em quitar o apartamento do meu filho", contou Ana Lúcia.

O que a aposentada não esperava era que a empresa contratada, que aparentemente funciona como uma financeira, não iria emprestar o dinheiro, mas sim roubar dela.

"Começaram a vir taxas e mais taxas, taxas da Receita Federal, taxa do Banco Central, uma taxa atrás da outra e eu fui pagando", disse.

Foram inúmeros depósitos e todo eles em valores altos de R$ 500 e alguns até em mais de R$ 1.000, além de transferências cada vez maiores. A aposentada lembra que se sentiu sem saída. Cada hora ela falava com uma pessoa diferente e ao invés de receber o empréstimo, só pagava por ele.

"Quando eu pedi o estorno, a taxa era altíssima. Eles falavam que eu tinha que pagar uma multa e que se eu não pagasse essa multa eu iria sofrer consequências porque eles são em seis advogados", relatou.

Suposta credibilidade

Para ganhar a confiança das pessoas, os criminosos utilizavam documentos que passavam credibilidade, como instituições financeiras famosas no mercado. De acordo com Ana Lúcia, eles mandavam documentos que aparentavam ser da Receita Federal e até foto dos advogados. 

Os depósitos aconteciam em nomes de pessoas diferentes e sempre que a aposentada questionava a suposta empresa sobre quem seriam essas pessoas, a resposta era que estes seriam os representantes financeiros.

Impacto nas relações

A aposentada mora no município de Afonso Cláudio, região Serrana do Espírito Santo. Com jeito simples de viver, a mãe que só queria quitar o tão sonhado apartamento do filho, está até com a saúde prejudicada. Ela também contou que assim que o marido soube do empréstimo e do golpe, ele abandonou a família e saiu de casa.

A vítima revela que atualmente deve mais de R$ 40 mil na praça. Isso aconteceu pois, devido ao nervosismo, ela acabou pedindo dinheiro emprestado com quem podia.

"Amigos meus também me emprestaram esse dinheiro, parte desse valor eu  já paguei, mas a outra parte eu estou devendo. Por isso eu fiquei desesperada, porque eu peguei esse dinheiro para poder quitar, senão meu nome iria ficar sujo na receita", explicou.

Ajuda é tudo o que a aposentada pede. Ela que sempre teve o nome limpo na praça, tem sentido vergonha até de caminhar pelo lugar onde mora. 

"Eu estou pedindo a ajuda de vocês, para ver se eles pelo menos devolvem o meu dinheiro. Eu tenho um nome limpo na praça. Lá em Afonso Cláudio todo mundo me conhece, agora eu fico com vergonha de sair na rua depois que aconteceu isso comigo", apontou.

A aposentada registrou um boletim online sobre o caso, que vai ser investigado pela Polícia Civil. 

* Com informações do repórter Douglas Camargo, da TV Vitória/Record TV.

Últimas