Aromaterapia pode prevenir o envelhecimento, aponta dermatologista

Com base em óleos essenciais, a técnica unida a uma rotina de autocuidado também tem efeito de bem-estar potencializado

Foto: RF Comunicação
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Tratar aspectos físicos e emocionais por meio de óleos essenciais. Essa é a proposta da aromaterapia, técnica secular que restabelece o equilíbrio e a harmonia pessoal. Porém, mesmo de princípio terapêutico, a aromaterapia pode trazer ainda outros benefícios, como no autocuidado por meio da rotina de skin care, tão praticada atualmente.

Extraído de folhas, raízes e flores, os óleos essenciais possuem propriedades antifúngicas, antioxidantes e anti-inflamatórias, sendo ideais para tratar muitos problemas de pele como o melasma (disfunção na pigmentação da pele devido à concentração de melanina). De acordo com a médica dermatologista Hellisse Bastos, há ainda óleos que possuem propriedades anti envelhecimento, como é o caso do óleo de copaíba, que previne rugas e linhas de expressão.

Outra vantagem é a origem 100% natural, o que transforma os óleos essenciais em eficientes alternativas àqueles que optam por não incorporarem produtos farmacêuticos na rotina de cuidados e seguir uma linha mais naturalista. “Por serem miméticos, há maior afinidade dos óleos com a pele, o que gera um risco menor de alergias, com o bônus de agir de forma terapêutica durante o uso”, aponta.

Alguns óleos podem, inclusive, combater os problemas recorrentes a pessoas de pele oleosa: as espinhas. “Não são todos os óleos que são comedogênicos, ou seja, obstruem os poros e favorecem o aparecimento de acnes e cravos. Há alguns que possuem propriedades anti-inflamatórias e penetram na pele sem impedir a respiração cutâneas. Óleos com propriedades anti-inflamatória são os mais indicados para tratar problemas do gênero”, aponta Hellisse.

Atenção à aplicação

Por serem caracteristicamente mais concentrados, o uso dos óleos essenciais requer cuidados para não haver o aparecimento de manchas ou reações alérgicas. “Esses óleos nunca podem ser aplicados diretamente sob a pele. É necessário diluí-los antes de usá-los. Uma a duas gotas já são o suficiente para que eles tragam os efeitos esperados”, aponta a dermatologista.

Para isso é necessário escolher os chamados veículos carreadores. Para as pessoas mais tradicionais, pode ser um simples creme facial, mas se a pessoa deseja seguir uma linha de coerência natural, óleos vegetais como o de castanhas, amêndoas e semente de uva podem ser utilizados, sem contar na famosa aloe vera.

Há ainda a possibilidade de utilizar os óleos essenciais em um difusor de água, o que garante a absorção das propriedades benéficas para a pele e ainda a potencialização da inalação, que ajuda a minimizar o estresse e promover o bem-estar.