Beirute tem mais de 100 mortos, desaparecidos e 300 mil sem casa após explosão

O Conselho Supremo de Defesa libanês declarou ontem Beirute como uma "zona catastrófica".

Foto: Divulgação
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

A tragédia que aconteceu em Beirute, após uma grande explosão, destruiu a área portuária e o centro da capital do Líbano na terça-feira (4). De acordo com o governo local, 300 mil pessoas estão desabrigadas após terem suas casas destruídas pelo impacto da detonação. As autoridades também confirmam que há 100 desaparecidos.

No início da manhã, foi contabilizado pelas autoridades libanesas e a Cruz Vermelha, mais de 100 mortos e 4 mil feridos pelo impacto da explosão, estilhaços de vidro e desabamentos. Centenas de prédios, também foram destruídos num raio de até 2 quilômetros de distância do porto.

O governador de Beirute, Maruan Abboud, deu uma declaração aos meios de comunicação que os danos em Beirute são enormes, em torno de US$ 3 bilhões (cerca de R$ 15,9 bilhões) ou US$ 5 bilhões (cerca de R$ 26,5 bilhões).

A deflagração provocou uma enorme onda de choque que afetou milhares de casas e edifícios, destruindo vidro e paredes, levando grande parte da população daquela área da cidade a procurar abrigo em outro lugar.

O primeiro-ministro libanês, Hassan Diab, revelou em uma reunião com o presidente da República, Michel Aoun, que um carregamento desprotegido de nitrato de amônio de 2.750 toneladas foi a causa da tragédia, embora os motivos que levaram à explosão do fertilizante sejam desconhecidas.

Nesta quarta -feira (5), é o primeiro dia de luto nacional decretado no país, em estado de emergência por duas semanas.

O Conselho Supremo de Defesa libanês declarou ontem Beirute como uma "zona catastrófica".

*Com informações do Portal R7