Boletim epidemiológico: casos de dengue diminuem no Espírito Santo

Médico alerta que mesmo com a diminuição dos casos é preciso estar atento à doença, porque o risco de morte existe até em casos de infecções leves

Foto: Divulgação/ Internet
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

O ano de 2020 está sendo diferente em relação aos casos de dengue em todo o Espírito Santo. Neste primeiro semestre, foram notificados 41.526 casos suspeitos da doença. Isso representa quase 15 mil notificações a menos em relação ao mesmo período de 2019, quando foram registrados 56.264 casos.

De acordo com o chefe do Núcleo Especial de Vigilância Ambiental, Roberto Laperriere Júnior, um dos fatores que influencia nesse resultado é a diminuição da temperatura, que tende a cair ainda mais durante o inverno. Nesse período, além da redução da circulação doAedes aegypti (transmissor da dengue, zika e chikungunya), as pessoas também utilizam roupas que cobrem mais o corpo, ficando menos expostas às picadas do vetor.

Risco 

De acordo com o Ministério da Saúde as pessoas com idade superior a 60 anos têm 12 vezes mais risco de morrer por dengue do que as pessoas de outras faixas etárias. Acredita-se que os idosos sejam mais suscetíveis porque neste grupo, a prevalência de doenças crônicas como pressão alta, diabetes e doenças cardiovasculares é maior.

O médico Eduardo Barcelos Ribeiro alerta que mesmo com a diminuição dos casos é preciso estar atento à doença, porque o risco de morte existe até em casos mais leves. "Na maior parte dos casos, a primeira manifestação da dengue é a febre alta, de início abrupto, acompanhada de dores musculares intensas, dor nos olhos, mal estar, falta de apetite, dor de cabeça e manchas vermelhas no corpo. Náuseas e vômitos também são sintomas relatados por muitas pessoas que já foram acometidas pela doença". 

Ciclo 

Doenças como dengue, zika e chikungunya são transmitidas pela fêmea do mosquito Aedes aegypti. Com menos de um centímetro de comprimento, o mosquito tem listras brancas no corpo e nas patas, sendo essa a principal diferença em relação aos pernilongos comuns. Circula durante todo o dia, mas costuma ser mais ativo nos horários com temperaturas mais amenas, como das 7h às 10h e das 16h às 19h. Além disso, voa baixo picando geralmente entre os joelhos e pés.

O Aedes aegypti leva, em média, 10 dias para se desenvolver e vive durante 30 dias. Uma única fêmea produz de 60 a 120 ovos em cada ciclo reprodutivo e pode ter mais de três ciclos durante sua vida.

Como prevenir

- Mantenha a caixa d’água bem fechada;

- Não acumule lixo no quintal;

- Não deixe água parada em pneus e vasos de plantas, por exemplo;

- Mantenha o lixo sempre bem fechado;

- Não deixe calhas entupidas.