Folha Vitória Brasileiro é contemplado em edital de arte urbana na Europa

Brasileiro é contemplado em edital de arte urbana na Europa

Neto Vettorello, artista brasileiro, é contemplado em um edital de arte urbana e ganha as ruas de Dublin, capital da Irlanda. Fique por dentro do que rolou!

Folha Vitória
Foto: Divulgação/DINO
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Ao todo foram cinco murais dispostos na cidade, em locais de grande acesso e fluxo de pessoas, e o Neto Vettorello foi um dos 5 artistas escolhidos, o único brasileiro, vale destacar. Por ser um grande avanço para a cultura local, chamando a atenção não só para o artista Neto Vettorello, mas também para o Brasil, que tem uma forte cultura de arte de rua.

A Irlanda tem um passado longínquo de muitos conflitos, e de algumas décadas para cá as coisas foram mudando, as portas foram se abrindo e a arte ganhou força. As tintas, as cores, as imagens foram se integrando às ruas e tornando tudo mais claro e leve. Porém, mesmo depois de toda essa abertura e início de uma vida mais integrada entre irlandeses e estrangeiros, ainda se pode perceber barreiras nítidas por parte da população local, e até alguns casos de violência contra brasileiros. 

Mesmo com todas as dificuldades, a arte, mais uma vez, se mostrou uma ferramenta importante para a quebra de barreiras e de maior união entre as pessoas com sua capacidade de alcançar e tocá-las independente do reconhecimento da língua. 

E, felizmente, temos um representante brasileiro ajudando nessa empreitada por lá, mostrando que a diversidade cultural é incrivelmente positiva e todos só têm a ganhar com ela.

Sempre em busca de superar a si mesmo, o Neto Vettorello cresceu rodeado de arte. Seu avô (de onde vem a origem e a homenagem do nome "neto") era pintor paisagista, e percebia toda a alegria de Vettorello em ficar horas admirando e observando ele pintar. Já a ligação com o graffiti veio na adolescência, depois dele e o irmão conhecerem a “nova moda” que veio de São Paulo. Certa vez os irmãos pegaram 2 sprays e foram para o fundo da casa e riscaram tudo por lá “foi amor à primeira vista” - diz ele.

Com uma sede incansável por novidades dessa nova forma de expressão, e sem as possibilidades da tecnologia que temos hoje (estavam no meio dos anos 90, com a internet ainda se desenvolvendo no mundo), eles procuravam por referências em todos os lugares possíveis. Uma das principais formas que encontraram foi alugar fitas VHS, e ficar parando nas cenas de rua, para conseguirem ver os graffitis que apareciam nos muros de Nova York. 

Hoje Neto tem a oportunidade de acompanhar de perto a evolução da arte urbana, tanto no Brasil quanto fora dele. Em suas criações estão sempre presentes o lúdico, a espiritualidade, a inovação e a qualidade técnica. 

Sempre colocando muito amor em cada trabalho que realiza, seu objetivo é trazer transformação e alegria para seus espectadores, como nos conta  “eu sempre estou em busca de me superar, buscar o inatingível, isso é uma constante em mim. Não quero me limitar em alcançar apenas um topo de uma montanha, mas sim levar várias pessoas para esse topo, para que todos possam apreciar a vista de cima”.

Morando na Irlanda há dois anos, Neto afirma estar gostando do país e destaca a beleza da natureza de lá. “Não conhecia muita coisa sobre o país antes de vir, e estou gostando principalmente da natureza aqui, que é muito diferente do que via no Brasil. É muito lindo", acrescenta o artista.

A oportunidade de se inscrever no edital apareceu em junho deste ano, e logo a organizadora entrou em contato com ele para acertar os detalhes do mural de 60 metros de comprimento, localizado bem em frente ao Irish Times, um dos principais jornais do país. 

Sua proposta artística foi aprovada sem alterações, com uma mistura de surrealismo, assinatura pessoal, homenagens e um “toque de pixo”, que relembra os primeiros anos do graffiti curitibano. 

Ele explica que um de seus principais conceitos para o trabalho foi na abertura que recebeu do governo de Dublin ao ser um dos contemplados no edital, em uma cena que ainda apresenta algumas restrições. 

“Me sinto quebrando barreiras e abrindo portas, pois como eu retratei no mural, tem uma pessoa carregando uma planta representando que 'a semente já foi plantada' e está começando a crescer para gerar frutos. Sinto que minha missão por aqui é abrir caminhos, para que mais brasileiros vejam que é possível fazer o que amam e ter um reconhecimento, por isso eu creio que esta conquista possa servir de base para mais pessoas irem atrás de seus sonhos e terem coragem de realizá-los.”

E a conquista dele já está gerando frutos em novos corações brasileiros, como o Neto mesmo conta: “a receptividade dos brasileiros aqui é incrível, quando eles descobrem que foi um dos seus que pintou aquilo, eles ficam ainda mais encantados, e se sentem parte do mural, se sentem representados representados. 

Neto ainda acrescenta: "é incrível o que uma pintura pode fazer para uma pessoa, por isso eu busquei gerar uma identificação com o maior número de grupos possível, para que todos se sintam representados, não só pelo país de origem e/ou em que vivem, mas que todos que passem por lá se sintam pertencentes ao planeta, ao cosmos e se sintam vivos, pois isso é o que importa.”

Acompanhe mais do trabalho do Neto através do perfil dele no Instagram:  @netovettorello e fique por dentro dos novos trabalhos do artista.

Últimas