Folha Vitória Carlinhos Maia é condenado a pagar R$ 30 mil após 'vandalizar' quadro

Carlinhos Maia é condenado a pagar R$ 30 mil após 'vandalizar' quadro

A assessoria do influenciador digital afirmou que ele não vai recorrer da decisão

Folha Vitória
Foto: Reprodução / Instagram
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória
Influenciador disse que não irá recorrer

Carlinhos Maia foi condenado pelo Tribunal de Justiça do Sergipe ao pagamento de R$ 30 mil em indenização a Laudice Rocha, artista que teve uma obra rabiscada pelo influenciador digital em 2019. 

À época, ele desenhou um rosto na pintura da mulher que estampava a tela e, depois, compartilhou o resultado nas redes sociais. A obra estava exposta em um quarto de hotel, em Aracaju.

Foto: Reprodução / Instagram
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória
Em 2019 o influenciador foi acusado de 'vandalizar' a obra de arte

Por meio de publicação no Instagram, a artista plástica comemorou a sentença.

 "Quero registrar que foi feita justiça no caso da vandalização de obra de arte de minha autoria, com sentença que condenou os responsáveis ao pagamento de indenização e devolução do quadro. Embora ainda caiba recurso, essa decisão é uma vitória importante, que exalta o respeito a quem produz a arte que livra da ignorância".

Procurada pela reportagem do R7, a assessoria de Carlinhos Maia afirmou que o influenciador digital não vai recorrer da decisão do juiz Cristiano José Macedo Costa.

"O requerido entendeu que ocorreu o dano extrapatrimonial e assumirá a sua parte nesta responsabilidade solidária, informando que não entrará com recurso e cumprirá o que a Justiça arbitrou", diz um dos trechos da nota oficial.

De acordo com informações divulgadas pela equipe do blogueiro, o "Juízo entendeu que houve dano extrapatrimoniais sofrido pela autora Laudice Maria Silva Rocha, mas entendeu que o quantum indenizatório no valor estimado de R$ 300.000,00 (trezentos mil reais) não estava dentro da proporcionalidade e razoabilidade."

Com isso, o valor foi recalculado. "Entendeu que o valor justo, razoável e proporcional a ser arbitrário seria o de R$ 30 mil (trinta mil reais), além da obrigação da Rede Hoteleira de retirar de circulação o quadro e devolver para a artista."

Com informações do Portal R7

Últimas