Folha Vitória Carro 2022: vale a pena trocar de carro este ano?

Carro 2022: vale a pena trocar de carro este ano?

Para o segundo semestre de 2022, o cenário para o mercado automotivo é um pouco melhor do que os anos anteriores, com certa estabilidade nas vendas

Folha Vitória
Foto: Divulgação / Pexel
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Os anos de 2020 e 2021 foram difíceis para o setor automotivo. A pandemia e a consequente queda na produção de peças causaram uma grande alta nos preços dos veículos, e até mesmo a escassez de alguns modelos no mercado.

Agora, para o segundo semestre de 2022, o cenário é um pouco melhor do que os anos anteriores, com certa estabilidade nas vendas - mas ainda longe de tudo se normalizar.

A crise do setor automotivo em 2020 e 2021

A queda do consumo de automóveis no início da pandemia fez com que algumas fábricas reduzissem a produção de uma peça fundamental para os automóveis de hoje: os semicondutores. Ainda, os riscos da COVID-19 afetaram o dia a dia das indústrias, com redução no número de funcionários e até na fabricação desses produtos. O resultado disso: atraso de produção e a escassez dos semicondutores no mundo inteiro.

Para se ter uma ideia, um carro moderno pode ter de 500 a mil semicondutores em sua estrutura de montagem. Por isso, em meio a esta instabilidade do mercado, alguns modelos deixaram de ser fabricados, e os que chegaram a ser comercializados tiveram os preços elevados.

Neste contexto, cresceu a procura por veículos seminovos: as vendas de carros usados pela internet cresceram pelo menos 20% nos dois últimos anos. A facilidade e a agilidade de negociação e o maior leque de opções fizeram com que este mercado, sim, fosse aquecido.

Mas, e em 2022, vale a pena trocar de carro?

Otimismo é com os brasileiros: uma pesquisa da Associação Nacional de Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) e do Webmotors Auto Insights revelou que 95% dos entrevistados têm intenção de comprar ou trocar de carro neste ano.

Mas, como estará o mercado?

Especialistas vislumbram uma normalização na prática de preços no segundo semestre deste ano, e ainda mais estável no último trimestre. Os fabricantes encontraram alternativas para produção de semicondutores, amenizando as dificuldades enfrentadas no ano passado.

Ainda assim, os valores de carros zero não devem cair. A produção de automóveis ainda não voltou ao normal. Além disso, o aumento das taxas, incluindo a Selic, deve manter os preços elevados.

Esta situação afetará uma mudança no mercado de carros seminovos, de acordo com o especialista na área de carros seminovos, Gustavo Milsztayn.

Com a gradativa regularização do fornecimento de semicondutores, haverá, ainda que reduzida, uma maior oferta de veículos 0km. “Muita gente optou pelos usados por conta da falta de novos no mercado. Assim, com aumento da frota ofertada para consumidores, é natural que caia o preço dos seminovos”, explica.

Portanto, se você ainda não comprou o seu carro em 2022, vale a pena esperar mais alguns meses. Para os automóveis 0km, para quem quer maior oferta de carros. Para os seminovos, pela redução nos preços.

Como fazer um bom negócio

Para quem está aguardando a queda dos valores dos seminovos para os próximos meses, é importante prestar atenção em alguns detalhes. “Eles vão fazer a diferença na hora de fechar o negócio e evitar que o comprador caia em alguma cilada”, orienta Milsztayn.

1- Não atropelar o processo: mesmo que existam muitos interessados no veículo, faça a sua parte, sem pressa. Pesquise sobre a reputação do vendedor e cheque antecedentes.

2- Desconfiar de preços muito baixos: compare com a tabela Fipe e desconfie se a prática está muito diferente da maioria. Preço muito baixo tem grandes chances de ser uma fria.

3- Fazer uma consulta veicular: este passo é fundamental antes de comprar qualquer seminovo. Com o número da placa ou do chassi, com a consulta veicular, você fará um raio-x do automóvel, com dados sobre históricos em leilão, remarketing, recall, duplicidade de motor, informações originais, histórico de multas e outros processos, e ainda indícios de sinistro.

4- Consultar um parecer técnico: este cuidado vai te orientar sobre o risco de aceitação no mercado. São dados buscados em seguradoras e empresas de recuperação de veículos, feitos também em plataformas de consulta veicular.

5- Pedir orientação: caso o carro esteja na mesma região em que você mora, e se você tem alguma oficina mecânica de confiança, marque um encontro no local. Com a ajuda do profissional, você pode ver o carro de perto, fazer um test-drive e ouvir uma opinião com olhar de quem entende do assunto.

Últimas