Folha Vitória Casal de jornalistas que viaja e vive em carro chega ao ES

Casal de jornalistas que viaja e vive em carro chega ao ES

Carina Furlanetto e João Paulo Mileski já viajaram pela América do Sul e agora pretendem passar por todos os estados do Brasil

Folha Vitória
Foto: Crônicas na Bagagem
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória
Na foto, João e Carina saíram de Petrópolis para Teresópolis. O registro foi feito no dia 17 de agosto

O casal de jornalistas Carina Furlanetto e João Paulo Mileski chegou na sexta-feira, dia 20, ao Espírito Santo, sétimo estado da expedição que pretende explorar todas as unidades federativas do Brasil de carro. A primeira parada em solo capixaba foi em Cachoeiro de Itapemirim.

Eles saíram de Bento Gonçalves, no Rio Grande do Sul, no dia 3 de maio, e antes de chegar ao Espírito Santo passaram por Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro.

Entre 2019 e 2020 o casal partiu para uma aventura de quase 14 meses por 10 países da América do Sul, história contada no livro "Crônicas na Bagagem: 421 dias na estrada - uma jornada de despedimento pela América do sul".

Após o retorno ao Brasil pela Venezuela, o objetivo era conhecer todos os estados do país, mas a pandemia acabou forçando uma pausa na continuidade da expedição. 

"Conhecemos praticamente todo o nosso subcontinente e só agora estamos conhecendo de verdade o nosso próprio país. Estamos há apenas três meses na estrada e já constatamos a riqueza da diversidade cultural e sobretudo a generosidade do brasileiro. As pessoas sempre querem ajudar, de todas as formas, nos dão comida e até gasolina", contou Mileski.

Pela América do Sul, os jornalistas dormiam em casas de pessoas e no próprio carro. Nas 168 noites em que o veículo também serviu de cama, eles apenas baixavam os bancos da frente e deitavam ali mesmo. 

Agora, por conta da pandemia, adaptaram o carro para tornar possível uma viagem com mais autonomia. 

"Tiramos os bancos de trás e improvisamos uma cama, o que permite viajarmos isolados, sem depender de outras pessoas. Até a pandemia não passar, a ideia é fazer um isolamento nômade, sem contato com outras pessoas", relatou Carina.

A estimativa é que a viagem dure em torno de dois anos. Para se manter esse tempo todo na estrada, eles têm o desafio de não gastar mais do que R$ 70 por dia, contando todos os gastos para duas pessoas e o carro. 

"Não pagamos por hospedagem e cozinhamos no próprio carro, em uma panela elétrica conectada a uma bateria extra. Isso nos permite economizar e tornar possível o sonho de chegar a cada cantinho do nosso Brasil", disse Mileski.

Depois de Cachoeiro de Itapemirim, eles devem passar por Marataízes, Guarapari, Domingos Martins, Vitória, Afonso Cláudio e Castelo, entre outras cidades que vão definindo no caminho.

Que demais! 

Últimas