Folha Vitória Com alta ocupação nas UTIs para covid-19, hospitais do ES estão racionando medicamentos

Com alta ocupação nas UTIs para covid-19, hospitais do ES estão racionando medicamentos

Situação foi revelada pelo secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, em entrevista ao programa Fala ES, da TV Vitória/Record TV

Folha Vitória
Foto: Diego Simão/TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

O número expressivo de pacientes internados em unidades de terapia intensiva (UTIs), que precisam ser intubados, tem impactado significativamente na oferta de medicamentos utilizados neste tipo de procedimento. Com isso, hospitais das redes pública e privada do Espírito Santo, além dos filantrópicos, estão sendo obrigados a fazer um racionarmento, justamente, para que eles não se esgotem.

De acordo com o Painel Ocupação de Leitos Hospitalares, da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), atualmente 93,37% dos leitos de UTI exclusivos para o tratamento da covid-19 estão ocupados no Espírito Santo. Das 996 vagas ofertadas pela rede estadual, 930 estão preenchidas.

A situação foi revelada pelo secretário de Estado da Saúde do Espírito Santo, Nésio Fernandes, durante entrevista ao programa Fala ES, da TV Vitória/Record TV, na tarde desta quarta-feira (7). Segundo o secretário, o governo estadual já solicitou apoio ao Ministério da Saúde.

Ainda de acordo com Nésio Fernandes, ainda não faltam insumos na rede pública de saúde. No entanto, ele admite que atualmente é feito um racionamento e o uso disciplinado desses insumos. O secretário disse também que, semanalmente, fornecedores entregam em oferta menor; mas regular, os medicamentos necessários.

"Nós temos uma capacidade muito célere de compras. E nos programamos anteriormente à onda com a regulação robusta para adquirir medicamentos. No entanto, apesar dos contratos de compra vigente, os fornecedores e a indústria reduziram a disponibilidade de medicamentos para todo o Brasil. Hoje, a rede privada tem uma dificuldade maior que a rede pública para comprar. Todos os serviços de saúde privado e filantrópicos já trabalham há algumas semanas com racionamento, no sentido de disciplina no uso desses medicamentos", informou.

Últimas