Folha Vitória Como investir dinheiro em imóveis: 5 opções rentáveis e dicas para não errar

Como investir dinheiro em imóveis: 5 opções rentáveis e dicas para não errar

Aprenda Como investir dinheiro em imóveis por meio de 5 opções rentáveis, além de dicas para não errar

Folha Vitória
Foto: Divulgação/DINO
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Investir em imóvel é garantia de estabilidade financeira. Se você nunca ouviu essa afirmação na vida, volte duas casas porque você não viveu direito. Brincadeiras à parte, se tem uma ideia que não muda neste país, é a de que investir em imóvel no Brasil é uma decisão acertada. Mas as formas de se fazer isso mudaram e muito: para começar, não é preciso comprar um imóvel para se investir em imóveis. Quer saber mais sobre o assunto? Então continue lendo até o final para descobrir como investir dinheiro em imóveis de 5 formas diferentes.

1. FII – Fundo de Investimento Imobiliário

A primeira opção de investimento em imóveis são os fundos de investimentos imobiliários. Com esta opção, em vez de comprar um imóvel e pagar seu custo integral, você adquire cotas de fundos imobiliários. A liquidez é maior e você não precisa se preocupar com os custos de ter um imóvel, como impostos e manutenção, por exemplo.

Porém, o rendimento não é fixo. Quando se investe em um FII, o retorno irá depender da situação dos imóveis do fundo. Então, é importante saber analisar as características do imóvel para evitar perder dinheiro no processo. Além disso, fatores como taxa de vacância (período que o imóvel passa vazio) e inadimplência, por exemplo, podem afetar o rendimento. Por este motivo, este formato é considerado um investimento de renda variável, mas ainda assim um investimento em imóveis bem interessante.

2. LCI – Letra de Crédito Imobiliário

Outra opção para quem busca saber como investir dinheiro em imóveis são as Letras de Crédito Imobiliário (LCI). Na prática, elas são títulos que as instituições financeiras colocam à disposição de investidores com o objetivo de captar crédito para ofertar ao setor imobiliário. Quando um investidor compra títulos de LCI, ele está emprestando dinheiro para uma instituição financeira, que acaba repassando o valor ao setor imobiliário.

Ou seja, ele está investindo no setor de imóveis, só que com a instituição financeira como intermediadora. Como seu prazo de vencimento pode variar de meses até anos, este formato é mais recomendado para quem busca um retorno de médio a longo prazo, como dois anos ou mais. Outro ponto importante: ao contrário do FII, a LCI é um modelo de investimento de renda fixa. Isso porque, no momento da aquisição do título, o investidor já pode saber quanto a aplicação irá render em um período pré-estabelecido.

Além disso, os investimentos em LCI tem seu retorno assegurado pelo FGC – Fundo Garantidor de Crédito. Ou seja, dependendo do seu perfil de investidor, esse é um dos melhores lugares para investir em imóveis.

3. CRI – Certificado de Recebíveis Imobiliário

Os CRIs — Certificados de Recebíveis Imobiliários — são títulos ofertados por companhias securitizadoras de créditos imobiliários no mercado financeiro e de capitais. Ao adquirir títulos CRI, o investidor já consegue saber qual retorno a aplicação trará. Por isso, esse modelo é considerado um formato de renda fixa e também é uma ótima opção para quem quer saber como investir dinheiro em imóveis sem precisar comprar um.

Porém, ao contrário dos títulos LCI, os CRIs não têm garantia do FGC. Caso o emissor não pague o rendimento prometido, o investidor pode sair prejudicado. Assim, é um formato mais adequado para investidores com alta tolerância aos riscos. Além disso, os prazos de vencimento dos investimentos de CRIs são bastante longos, desde poucos anos até mais de uma década. Dito isso, para quem precisa de liquidez imediata, esse formato não é o mais indicado.

4. LIG – Letra Imobiliária Garantida

A LIG – Letra Imobiliária Garantida – é um título relativamente novo (regulamentado em 2017) e emitido, normalmente, por instituições financeiras. A palavra “garantida”, presente na sigla, se dá pela chamada “dupla proteção dos investimentos”. Isso significa que, além do balanço da própria instituição emissora, a LIG é garantida por um pacote de créditos imobiliários independentes, ou seja, mesmo que a instituição financeira quebre, esses créditos poderão cumprir com o pagamento dos investidores.

Porém, é importante destacar que, embora tenha essas garantias, a LIG não é assegurada pelo FGC. Outra característica é o tipo de investimento. Quando se investe na modalidade, o rendimento já pode ser previsto no momento da aplicação, por isso a LIG é considerada um investimento de Renda Fixa. Seu funcionamento é parecido com o da LCI, porém com títulos mais acessíveis, ou seja, para aplicar em LIG não precisa ter um grande fundo de crédito. Sobre os prazos, seus vencimentos são de, no mínimo, 2 anos, com uma carência para resgate de 12 meses.

5. P2P – Peer-to-peer imobiliário

O peer-to-peer imobiliário é um formato de investimento no qual investidores podem aplicar diretamente em empresas do segmento imobiliário com o intermédio de uma plataforma digital e 100% online. Por conta da estrutura que mantém este formato ser leve e moderna, o P2P imobiliário consegue oferecer aplicações ace ssíveis, alta rentabilidade e garantia de retorno nos investimentos realizados.

Assim, também se caracteriza uma alternativa para aqueles que desejam investir dinheiro em imóveis. Todas são excelentes para o investidor inteligente e que sabe que diversificar é o melhor caminho.

Últimas