Folha Vitória Conselho de Enfermagem do ES investiga dois casos de falsa aplicação de vacina contra covid

Conselho de Enfermagem do ES investiga dois casos de falsa aplicação de vacina contra covid

Fatos aconteceram em unidades de saúde em Vitória; Coren-ES recebeu cinco denúncias desde o início da pandemia, mas três foram descartados

Folha Vitória
Foto: Folha Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

O Conselho Regional de Enfermagem (Coren-ES) investiga dois casos de falsa aplicação de vacina contra a covid-19. Ambos ocorreram em Vitória. 

O mais recente é o de uma enfermeira acusada de ter descartado uma dose de vacina contra a covid-19, durante a aplicação do imunizante da Pfizer em uma arquiteta de 49 anos. 

O caso aconteceu no último sábado (12), na unidade de Saúde da Ilha de Santa Maria e foi divulgado com exclusividade nesta terça (15) pelo Folha Vitória. 

A outra investigação envolve um técnico de Enfermagem que insere a agulha de uma vacina no braço de uma idosa de 71 anos mas não injeta o líquido. O caso foi no posto de saúde de Santo André e aconteceu em 21 de abril. 

Segundo o Conselho de Enfermagem, desde o início da pandemia, foram encaminhadas cinco denúncias sobre irregularidades na aplicação de vacinas contra a covid-19. 

Deste total, três não foram consideradas infrações. Os dois restantes estão em processo de apuração. As investigações serão feitas de acordo com os Códigos de Processo Ético e o de Ética da Enfermagem.

O Coren orienta que qualquer cidadão pode registrar sua denúncia no canal da ouvidoria do conselho (ouvidoria.cofen.gov.br/coren-es/).

Vídeos na internet

Os casos ganharam repercussão após parentes que acompanhavam as pessoas que não foram vacinadas registrarem os procedimentos em vídeos e publicarem as imagens em redes sociais. 

No último sábado (12), na Ilha de Santa Maria, o marido de uma arquiteta registrou o momento em que a enfermeira teria pressionado o êmbolo da seringa, sem que a agulha estivesse no braço da mulher.

Em seguida, a profissional mostra a seringa vazia para a mulher com o intuito de mostrar que a vacina teria sido aplicada.

A gravação foi feita depois de a enfermeira ter inserido a agulha no braço da mulher e ter feito o curativo no local da aplicação. No momento em que o êmbolo é pressionado, é possível ver um jato de líquido saindo da seringa.

A arquiteta registrou um boletim de ocorrência na Polícia Civil e a Prefeitura de Vitória informou que será instaurada uma sindicância administrativa para apurar a conduta da profissional. 

Já no posto de saúde do bairro Santo André, em 21 de abril, o neto de uma idosa de 71 anos filmou a vacinação e mostra quando o técnico de enfermagem insere a agulha no braço dela, mas não injeta o líquido. Ele finaliza o procedimento como se tivesse vacinado.

De acordo com o filho da idosa, a ação foi percebida na hora e a enfermeira chefe foi questionada sobre a situação. Ela explicou que o técnico de enfermagem estava nervoso no momento da aplicação.

A Secretaria de Saúde de Vitória providenciou uma outra dose para a idosa,  afastou o técnico e abriu procedimento administrativo para apuração dos fatos.

Especialista recomenda que se peça para ver a seringa antes e depois

O médico infectologista e professor de Medicina da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), Paulo Peçanha, destaca que os registros de irregularidades são pontuais e isso não deve ser um impedimento para a vacinação.

"Neste momento em que estamos vivendo uma situação tão dramática no mundo inteiro, a vacina é muito importante. As unidades de saúde do Espírito Santo têm uma tradição de trabalhar com muita responsabilidade e qualidade do serviço. No Brasil inteiro, os casos de aplicação irregular, sem a dose adequada, foram muito pontuais, então as pessoas deve tomar a vacina, confiar no serviço e nas unidades de saúde."

O especialista destaca que os casos de vacinação irregulares são poucos diante do volume de vacinas aplicadas no Brasil. Atualmente, segundo os dados mais recentes do consórcio de veículos de imprensa, 55.740.512 pessoas já receberam a primeira dose do imunizante.

Peçanha também deixou algumas recomendações e dicas sobre o que observar na hora da vacinação. Veja abaixo!

Posso pedir para ver a vacina?

"Existe recomendação de que o técnico mostre a seringa contendo 0,5 ml da vacina no ato da vacinação. A pessoa então deve observar se realmente a seringa está com o líquido e se a vacina foi aplicada de forma correta."

É preciso fazer filmagem na hora da vacinação?

"É muito mais importante pedir para ver o líquido da seringa do que ficar preocupado em fazer foto e filmagem. Muitas vezes, enquanto você está preparando o celular para fotografar, pode acabar perdendo a chance de ver se, de fato, o imunizante está mesmo na seringa."

É necessário checar o prazo de validade?

"Não tem como ter ultrapassando o prazo de validade dessas vacina contra a covid-19, pois elas estão sendo produzidas, distribuídas e já aplicadas. Com isso, o risco é menor de perder a validade. Isso faz mais sentido para as vacinas convencionais."

É importante levar acompanhante?

"Esse não é o momento de muita circulação. As pessoas que estão sendo imunizadas hoje, são de faixa etária mais avançada, então muitas vezes é importante ter um acompanhante. Mas se for somente para vigiar, não é necessário. Cada pessoa deve observar a sua vacina."

Últimas