Folha Vitória Consumidor brasileiro está cada vez mais informado sobre vinhos

Consumidor brasileiro está cada vez mais informado sobre vinhos

Winetrader, marketplace de vinhos raros apresenta seu novo consultor, que deixou o Fasano BH para indicar grandes rótulos aos usuários da plataforma

Folha Vitória
Foto: Divulgação/DINO
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Segundo a Consultoria Nielsen, oito em cada dez pessoas aprendem algo novo diariamente, sobretudo mulheres e solteiros - cenário favorável para cursos de vinhos online; 85% cozinham em casa (ambiente favorável para o vinho se inserir no contexto); 75% se exercitam mais, buscam produtos de saúde (vinho tinto) inteligente e realizam exames médicos frequentes; 77% usam redes sociais (canais onde o vinho pode crescer ainda mais); 66% usam vídeos ao vivo para se manterem conectados (favorecendo as lives do setor de vinhos) 70% compram mais de duas vezes por semana, sendo que metade dos consumidores comprou mais online ( incremento da venda de vinhos nesses canais); e finalmente, 78% trabalham em casa e se sentem positivos com o Home Office (vinho como a indulgência merecida após um dia intenso de trabalho em casa).

Some-se a isso, segundo a consultoria, um novo cenário competitivo, e o surgimento de fortalezas regionais, com necessidade de repriorizar PDVs através de parcerias com varejistas regionais; uma nova dinâmica de consumo e novas necessidades, com diversificação de embalagens, lançamento de Pack, revisão de portfólio e segmentos; um consumidor mais atento ao preço, o que demanda cuidados com posicionamento correto, estratégia de preço e promoções, embalagens e sizings; maior disputa pela gôndola, o que requer investimento em logística, correção de ruptura e sortimento; observância ao perfil do novo consumidor e do seu comportamento de compra - menor frequência e mais intensidade -  com aceleração no digital; e principalmente, revisão de metas, replanejamento do ano e repriorização de projetos, levando-se em conta um cenário de retração.

"O consumidor brasileiro está mais conectado do que nunca com a categoria de vinhos e com isso, muito mais exigente. Mesmo antes da pandemia, o brasileiro evoluiu muito seu conhecimento, seja por que viajou e conheceu vinícolas em países produtores, ou por que no Brasil mesmo se interessou em conhecer mais sobre o mundo do vinho. Isso criou uma situação de oportunidade no mercado, que se intensificou durante o período da pandemia. Esta exigência fica ainda mais evidente quando falamos sobre a venda de vinhos finos e de alta gama no Brasil, que está muito aquecida. Existe um segmento de consumidores muito relevante no Brasil que busca os melhores vinhos provenientes de todo o mundo", comenta Isabel Guilisasti, vice-presidenta de vinhos finos e Imagem Corporativa, da Concha Y Toro.

Atento à tendência, surgiu em meados desse ano, um novo player para ajudar donos de coleções e rótulos raros a identificar eventuais compradores através de uma plataforma digital que atua como marketplace. Com esta premissa, a Winetrader (www.winetrader.com.br) foi criada para encontrar compradores para a comercialização de rótulos incomuns. O negócio é inspirado em marketplaces americanos, como o Vinfolio e abre também a oportunidade de formar uma comunidade de colecionadores e investidores de vinhos, conectando o vendedor com o comprador de forma segura e com suporte. De forma facilitada, através de um cadastro online clientes enviam seus vinhos em foto padrão, e em seguida são analisados itens como volume do líquido, gargalo e rótulo, entre outros.

Para dar suporte aos usuários da plataforma, a plataforma acaba de contratar o sommelier Gustavo Giacchero que deixou recentemente o Fasano BH para dedicar-se ao marketplace através da curadoria que fará na plataforma. Segundo Gustavo Giacchero, ser sommelier é cuidar do bem-estar das pessoas em seus momentos mais valiosos, notadamente aqueles em que aprecia-se um bom vinho, com uma boa comida e em boa companhia também. “É uma profissão prazerosa, mas que demanda muita dedicação e estudos, sobretudo nos dias de hoje, em que o mundo do vinho está mais dinâmico e apresenta tantas novidades, o que nos obriga a estar sempre atualizados”, comenta. No mercado há 16 anos, ele afirma que o consumidor brasileiro nunca esteve tão bem-informado como agora, e que se mostra aberto a conhecer novas propostas e rótulos. 

Sobre a máxima de que vinho bom nem sempre precisa ser caro, ele concorda, desde que haja cuidado e critério na seleção. Ele também dá dicas para quem quer começar uma adega em casa: “devemos começar com os clássicos que estão no patamar de cima do mundo dos vinhos e que sempre irão imperar, tais como rótulos das regiões de Bordeaux e Borgonha, Piemonte e Toscana, para o Velho Mundo, e californianos e australianos para o Novo Mundo. Há muitas possibilidades de quatro dígitos, e neste patamar, acredito que as melhores opções venham de países como Portugal e Espanha”, comenta.

Sobre sua função na Winetrader ele vê que existe através do marketplace um potencial enorme para mudar a cultura do comércio de vinhos no país, e almeja dividir seu conhecimento com todos que utilizam a plataforma, com dicas de boas compras, informações sobre cepas, regiões, e produtores que estão se destacando, dicas de harmonização e todos os temas inerentes ao mundo do vinho. “O vinho é um caminho sem volta e só tende a crescer cada vez mais. O brasileiro tem acesso a rótulos do mundo inteiro, ao contrário da maioria de outros países do mundo e isso é muito rico, temos que explorar todas as possibilidades engarrafadas”, conclui Gustavo. 

Regra de ouro de Gustavo para quem quer ser sommelier: estudar, ler muito, manter-se atualizado com o universo do vinho, participar de feiras, concursos, visitar regiões vinícolas e produtores que estão se destacando no seu segmento, e acima de tudo, nunca desdenhar do conhecimento do cliente, que muitas vezes tem mais acesso a informações adquiridas em viagens e abrindo garrafas do que muitos profissionais.

Atualmente, encontram-se disponíveis na Winetrader mais de 500 rótulos que vão de 100 a 100 mil reais. Entre as metas deste ano os sócios miram aumentar a variedade de vinhos para 3.000 rótulos no ano que vem e atrair para a plataforma grandes players do mercado.

Últimas