Contemplados pelo Bolsa Atleta, lutadores de boxe de Colatina adaptam seus treinos para manter a forma

Os valores do auxílio mensal variam de acordo com a categoria do atleta dentro do edital, sendo R$ 500 (estudantil), R$ 1.500 (nacional), R$ 2 mil (internacional) e R$ 4 mil (olímpico)

Foto: Divulgação
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Contemplados pelo programa Bolsa Atleta, da Secretaria de Esportes e Lazer (Sesport), Felipe Silva, Douglas Rossini e Leonardo Negrelli se adaptam à nova rotina de treinos, durante o combate à pandemia do novo Coronavírus (Covid-19). Com foco em um segundo semestre com competições, os boxeadores colatinenses treinam almejando um cenário positivo no esporte nos próximos meses.

Após a publicação da Portaria Nº 094-R, de 23 de maio de 2020, que permite a abertura dos ginásios e academias no Espírito Santo, os lutadores têm se dedicado na preparação e treinos enquanto cumprem todas as medidas sanitárias estabelecidas pela Secretaria da Saúde (Sesa). Cheio de expectativas para representar o Estado em competições ainda este ano, Douglas Rossini comentou sobre os treinos durante a pandemia.

“Mesmo nessa pandemia, ainda estou conseguindo treinar todos os dias, duas horas pela manhã e três na parte da tarde, afinal temos em vista algumas competições ainda este ano. Em setembro, estaremos em São Paulo para representar nosso Estado no Campeonato Brasileiro de Pugilismo, lembrando que lá eventos de esportes de contato já estão liberados, mas como não haverá público, tudo será transmitido on-line”, comentou o lutador.

Outro lutador da cidade, Leonardo Negrelli afirmou que a pandemia trouxe dificuldades, mas que tem se adaptado às mudanças para não ficar sem praticar esportes. “No início da pandemia foi mais difícil, pois as academias estavam fechadas. Agora, após o decreto, e com a reabertura desses espaços, eu treino lá duas ou três vezes na semana e nos outros dias treino em casa ou faço uma corrida, para não ficar parado”, revelou.

Além de contar sobre os exercícios que tem realizado, Felipe Silva expressou as adversidades que encara na adequação durante a pandemia. “Atualmente faço dois treinos no dia, um pela manhã e outro à noite, um treino com pesos livres e outro técnico com o saco de pancada e equipamentos de boxe. Desde quando a pandemia começou, tive muitas dificuldades para me adaptar a novos treinos, então espero que tudo isso passe para que possamos voltar a treinar normalmente”, disse Silva.

Realizações

Contemplados na categoria nacional do Bolsa Atleta, Douglas Rossini e Felipe Silva, além de competidores, são treinadores de artes marciais. Após o decreto que suspendeu as competições esportivas e o funcionamento das academias, eles estudaram e planejaram uma forma para ampliar o esporte na cidade, com toda segurança necessária.

A partir daí eles fundaram o próprio Centro de Treinamento, onde ensinam as modalidades de boxe, kickboxing e muay thai. Segundo Silva, a iniciativa surgiu com o objetivo de ajudar mais pessoas nesse momento crítico em que o país se encontra.

“Após estudar como poderíamos melhorar nosso atendimento e ajudar mais pessoas nesse momento tão crítico, conseguimos um espaço mais apropriado e que comporta nosso tipo de trabalho. Assim que saiu a liberação do Governo do Estado, abrimos a Scorpions Figth Club, onde eu e o treinador Douglas Rossini lecionamos e atendemos nossos clientes dentro das normas estabelecidas”, comentou.

Já Rossini aproveitou para descrever como estão sendo os treinos e as aulas, além de agradecer ao benefício concedido pela Sesport. “Estamos treinando com todas precauções possíveis, com poucas pessoas e treinos individuais. O nosso centro é um lugar preparado para suprir nossas necessidades de treinamento, principalmente como esportista. Tudo isso, com certeza, só é possível graças ao nosso patrocínio do Bolsa Atleta, sem ele nada seria possível”, concluiu ele.

Bolsa Atleta

O programa Bolsa Atleta beneficia, neste ano, 121 atletas e paratletas de alto rendimento. Os valores do auxílio mensal variam de acordo com a categoria do atleta dentro do edital, sendo R$ 500 (estudantil), R$ 1.500 (nacional), R$ 2 mil (internacional) e R$ 4 mil (olímpico).