Folha Vitória Covid-19: com avanço da vacinação no ES, cai o número de mortes e internações

Covid-19: com avanço da vacinação no ES, cai o número de mortes e internações

Dados compartilhados pela pós-doutora em Epidemiologia, Ethel Maciel, em suas redes sociais, mostram a eficácia da vacina no controle da pandemia

Folha Vitória
Foto: Reprodução/Redes Sociais
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Dados animadores. É assim que a pós-doutora em Epidemiologia, Ethel Maciel, define os primeiros resultados da vacinação contra a covid-19 no Espírito Santo. Na terça-feira (04), a especialista publicou, em uma rede social, dois gráficos que mostravam uma redução no número de internações e óbitos pela doença.

Nas imagens compartilhadas, Ethel compara o número de óbitos e internações registradas no estado antes e após o início da imunização.

Além das fotos, ela compartilhou um pequeno texto, explicando a leitura e interpretação das informações. Veja:

Foto: Reprodução / Twitter
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Em entrevista ao jornal online Folha Vitória, a epidemiologista explicou que os números compilados nos gráficos revelam que a vacina é a melhor forma de combater a doença.

“São dados muito animadores, que vão mostrando o que a gente já sabia, do ponto de vista de pesquisa, de outras vacinas. A gente já sabia que seriam as vacinas que iriam controlar essa pandemia e agora a gente está tendo os dados para mostrar isso”, explicou.

O que dizem os dados compartilhados pela pesquisadora?

Mais que números, esperança. “São animadores esses dados. Nos indicam que estamos no caminho certo para vencer essa pandemia”, destacou.

Ethel reforçou que, no caso dos mais idosos, que já receberam as duas doses do imunizante, é possível ver com clareza a evolução. Ela ainda explicou que o primeiro impacto da vacina é sentido no número de internações, e depois reflete no número de óbitos pela doença.

“No caso dos mais idosos, que já têm uma vacinação mais completa, a gente já consegue ver um resultado de queda bem importante. Sempre temos uma queda de internação e depois uma queda do óbito. Por que? É natural, você vai tendo menos internações, menos contaminações e, assim, menos pessoas perdendo a vida para a doença”, disse. 

Últimas