Folha Vitória Covid-19: cresce número de cidades em risco moderado no Espírito Santo

Covid-19: cresce número de cidades em risco moderado no Espírito Santo

Colatina, Santa Teresa e Ecoporanga entram para o risco moderado a partir desta segunda. As outras cidades permanecem em risco baixo

Folha Vitória
Foto: Divulgação
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Entra em vigor, nesta segunda-feira (09), o 30º Mapa de Risco, que terá vigência até domingo (15). Do total de municípios capixabas, 75 estão classificados em Risco Baixo e apenas três estão em Risco Moderado: Colatina, Ecoporanga e Santa Teresa. 

Em comparação com o mapa da semana anterior, houve aumento no número de cidades em risco moderado, já que no 29º mapa, apenas Ecoporanga aparecia nesta classificação. De acordo com o comandante do Corpo de Bombeiros, coronel Alexandre Cerqueira, essa oscilação é comum e já era esperada. "É um movimento que pode acontecer. No passado, a gente já falava sobre isso. A matriz de risco prevê essa oscilação. É um movimento que, por enquanto, é considerado normal", afirmou.

Mesmo com uma taxa de ocupação de leitos considerada dentro de um nível baixo, o coronel Cerqueira afirma que é preciso ficar atento à prevenção para a contaminação da doença. "A ocupação de leitos, que se mantém na faixa dos 40%, e a média móvel de óbitos são números que nos deixa numa situação de otimismo. É importante que a gente fique alerta com a quantidade de ativos. Temos uma corrente com vários elos. As mortes e taxa de ocupação são os últimos. Os primeiros são a contaminação. É importante que a comunidade em si fique atenta, utilizando das estratégias. O aumento da quantidade de ativos poderá ocasionar no aumento da ocupação e no aumento no número de óbitos", explicou.

A Matriz de Risco de Convivência considera no eixo de ameaça: o coeficiente de casos ativos por município dos últimos 28 dias, além da quantidade de testes realizados por grupo de mil habitantes e a média móvel de óbitos dos últimos 14 dias. Já o eixo de vulnerabilidade considera a taxa de ocupação de leitos potenciais de UTI exclusivos para tratamento da Covid-19, isto é, a disponibilidade máxima de leitos para tratamento da doença. A estratégia de mapeamento de risco teve início no dia 20 de abril.

O Mapa de Risco segue as orientações dos boletins epidemiológicos do Ministério da Saúde e recomendações da equipe de especialistas do Centro de Comando e Controle (CCC) Covid-19 no Espírito Santo, que é composto pelo Corpo de Bombeiros Militar, Defesa Civil, Secretaria da Saúde (Sesa), Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN), da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) e do Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes). As decisões adotadas pelo Governo do Estado seguem parâmetros técnicos.

Últimas