Folha Vitória Dados sobre emissão de pó preto não estão sendo divulgados, diz Prefeitura de Vitória

Dados sobre emissão de pó preto não estão sendo divulgados, diz Prefeitura de Vitória

O Iema admitiu que, por problemas técnicos no sistema, as informações obtidas por meio das nove estações de monitoramento da qualidade do ar da Grande Vitória estão momentaneamente indisponíveis

Foto: TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Moradores da Grande Vitória, especialmente da Capital, ainda sofrem bastante com o pó preto, seja na limpeza da casa ou com doenças respiratórias, que podem ser agravadas pela situação do ar.

De acordo com o Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema), órgão responsável pelo monitoramento da qualidade do ar na Grande Vitória, as últimas medições apontam que a qualidade do ar foi considerada boa na Região Metropolitana. Entretanto, não foram divulgados os percentuais de poluição.

A Prefeitura de Vitória, por sua vez, informou que faz a fiscalização, para tentar garantir uma boa qualidade do ar, mas alega que, desde fevereiro, não tem acesso aos dados que até então eram repassados pelo instituto.

"Realmente incomoda muito. A população está com a razão quando nos cobra. A gente coloca as nossas equipes em campo, fazendo o monitoramento, verificando na casa de cada um como está essa condição. E, a partir daí, a gente solicita ao Iema para que faça sempre essa melhoria contínua", destacou o secretário municipal de Meio Ambiente de Vitória, Tarcísio Foeger.

Por meio de nota, o Iema admitiu que, por problemas técnicos no sistema, as informações obtidas por meio das nove estações de monitoramento da qualidade do ar da Grande Vitória estão momentaneamente indisponíveis no site e no aplicativo. O órgão disse ainda que está trabalhando para sanar esses problemas o mais rápido possível.

O ambientalista Luiz Fernando Schettino defende que é preciso mais transparência na divulgação dos índices para que a sociedade possa acompanhar e cobrar ações contra os poluidores.

"O caminho é transparência. Esse é o caminho: usar tecnologia, cumprir a lei e transparência. A sociedade tem o direito de saber o que está acontecendo", frisou.

Transtorno do pó preto para a população

A sujeira provocada pelo pó preto se acumula em diversas casas em Vitória, como na do empresário Osmar Ramalho. Dono de uma auto escola em Jardim Camburi, ele conta que a placa do estabelecimento vive suja.

"A gente limpava de três em três meses, e agora estamos tendo que limpar todo mês. E em casa é a mesma coisa. Só que em casa é a mulher que faz a limpeza, mas é sempre também a mesma reclamação. A gente tem que ficar o tempo todo de janela fechada", contou.

Perto dali fica a casa do aposentado Ubirajara Catabriga, que afirma que o pó preto está em todos os cantos, seja nas superfícies, nas paredes e também nas calhas da residência.

"Quando chove, aqui embaixo na minha casa parece que lavaram uns 10 a 20 coadores de pó de café e jogaram aqui. A quantidade é tão grande que, de tempos em tempos, eu preciso chamar uma empresa que faz limpeza de esgoto para limpar o meu esgoto, porque chega a entupir o esgoto central aqui da casa", reclama.

O aposentado conta ainda que a esposa dele tem problemas respiratórios e sofre com a poluição. "Minha esposa tem bronquite. E todo mundo sabe que Jardim Camburi é um bairro onde o pó preto está em todos os lugares. Porque o fluxo aqui de carro e ônibus levanta esse pó preto e ele convive aqui no meio da gente. Tudo o que você limpa, no outro dia você sente que a sujeira voltou toda de novo. É constante", finaliza.

A médica pneumologista Cilea Martins explica como o pó preto agrava os problemas respiratórios.

"As partículas do pó preto são pequenas e essas micropartículas tendem a ir se depositando dentro das estruturas do pulmão. Isso, com o passar dos anos, pode vir sim a prejudicar, tanto na questão respiratória quanto na questão da imunidade das pessoas que ficarem expostas, por longo tempo, a esse tipo de poluição, infelizmente".

Foto: TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

A produção da TV Vitória/Record TV procurou as empresas que atuam no Porto de Tubarão, principal fonte do pó preto em Vitória. 

A Vale disse que possui diversas ações para reduzir ao máximo a emissão de pó preto, como ficou definido em um Termo de Compromisso Ambiental firmado, em 2018, com o Governo do Estado e com os Ministérios Públicos Estadual (MPES) e Federal (MPF). A empresa, porém, não respondeu sobre a quantidade de emissão de partículas que já foi reduzida.

Já a ArcelorMittal Tubarão, até o momento, não respondeu aos questionamentos feitos pela TV Vitória.

Com informações do repórter Rodrigo Schereder, da TV Vitória/Record TV

Últimas