Folha Vitória De volta ao presencial: entenda como vai ser o retorno nas escolas do ES nesta segunda-feira

De volta ao presencial: entenda como vai ser o retorno nas escolas do ES nesta segunda-feira

Nas cidades classificadas em risco alto, as escolas poderão receber até 50% da capacidade de ocupação das salas de aulas; os outros 50% devem continuar com aulas remotas

Folha Vitória
Foto: Divulgação
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Diante da flexibilização das regras para funcionamento das escolas públicas e privadas no Espírito Santo, as aulas presenciais para os estudantes do ensino infantil e fundamental l ( 1º ao 5º ano), nas cidades em risco alto, já podem ser retomadas nesta segunda-feira (10). Com a decisão do governo do Estado, cerca de 40 a 50 mil alunos retornarão às aulas presenciais em um esquema de rodízio.

Leia também: Mudanças de regras na educação: veja como ficam as aulas em cada tipo de ensino a partir de segunda

As atividades serão nos mesmos moldes presentes hoje nas cidades de risco baixo e moderado, ou seja, 50% dos alunos em sala de aula e os demais 50% em ensino remoto. Para os estudantes dos demais níveis de ensino, no entanto, (fundamental II, superior e cursos técnicos), a regra permanece a mesma nos municípios de risco alto. Sendo assim, só é permitido o atendimento presencial de forma individual e com horário marcado.

Escolas particulares
Nas escolas particulares, a volta às aulas já foi confirmada pelo Sindicato das Empresas Particulares de Ensino (Sinepe-ES), que garantiu que as instituições estão preparadas para o retorno. 

"Nossas escolas estão preparadas e irão abrir nesta segunda-feira, atendendo ao decreto do governador. Para retornar, tivemos que atender um protocolo de biossegurança da Sesa, que é rígido, e estamos sendo fiscalizados", afirmou o presidente do Sinepe-ES, Moacir Lellis.

Escolas Municipais
Em Vitória, as aulas retornam nesta segunda-feira (10), de maneira escalonada. O retorno será feito de forma gradual e com revezamento, com os protocolos de biossegurança já estabelecidos e adotados a partir de março. As salas de aula manterão o distanciamento de 1,5 metro entre os estudantes e o professor.

Veja como fica a volta às aulas:

• 10 de maio: estudantes do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental (grupo azul);

• 17 de maio: estudantes do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental (grupo laranja);

• 17 de maio: crianças dos grupos 5 e 6 da Educação Infantil. Nos Centros Municipais de Educação Infantil (Cmei), não haverá revezamento entre as crianças.

As aulas para os alunos do 6⁰ ao 9⁰ ainda não retornam à modalidade presencial.

Em Vila Velha, o ensino continuará no formato remoto, seguindo os protocolos de segurança e preservando a saúde de todos. As aulas serão em ambiente virtual, através da plataforma municipal “Escola Tá ON” e por meio do Google Classroom (Google Sala de Aula), com as Atividades Pedagógicas Não Presenciais. 

Em Cariacica, a Secretaria Municipal de Educação de Cariacica (Seme) informou que as atividades presenciais não retornam em maio. A Seme destaca que vai aguardar a evolução do processo de vacinação ao longo do mês e ampliar as discussões com o Sindiupes, Conselho e Fórum Municipal de Educação para planejar o retorno. 

Em Viana, a prefeitura informou, por meio da Secretaria Municipal de Educação, que o retorno da educação infantil e séries iniciais do ensino Fundamental, ou seja, do berçário até o 5° ano do Fundamental, será no dia 18 de maio. As atividades educacionais irão retornar de forma escalonada, ou seja, com rodízio entre aulas presenciais e atividades remotas em casa. Além disso, haverá escalonamento entre as turmas para evitar aglomeração. Os alunos terão dias de aulas nas escolas, onde poderão tirar dúvidas com os professores.

O município de Serra informou que irá divulgar o calendário de aulas nesta segunda-feira.

Posicionamento do Sindiupes

Diferente do sindicato que representa as escolas particulares, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Espírito Santo (Sindiupes) é contra a volta às aulas presenciais. "Não é normal em um estado como o nosso, morrer 50 pessoas por dia e reabrir escolas. É momento de fortalecer o distanciamento social. As experiências mundo afora já indicam que reabrir as escolas é fortalecer o contágio", disse Gean Carlos.

Durante o anúncio de retorno das aulas, na sexta-feira (07), o governador Renato Casagrande disse que a decisão foi tomada com base em um parecer médico. Segundo ele, estudos apontam que as crianças na faixa etária de até 10 anos representam pouco risco de contágio, tanto entre colegas quanto entre professores.

"Temos um parecer da Sociedade de Infectologia do Espírito Santo. Ela assinou tecnicamente, em um debate conosco, que os estudos mostram que, nessa faixa, as crianças transmitem menos e, portanto, não causam disseminação e contágio da doença no momento em que a gente está em queda da doença e o percentual de crianças que se contagiam é muito pequeno", frisou Casagrande.

Entenda quais as regras para cada tipo de ensino: 

ENSINO INFANTIL

São permitidas aulas presenciais nos municípios classificados em risco baixo, moderado e alto para a transmissão do novo coronavírus. Há um limite de 50% da ocupação das salas de aulas, por isso, parte dos alunos (50%) devem continuar com as aulas remotas. Os pais que não sentirem seguros com o retorno podem optar por manter os filhos nas aulas remotas. Caso o interesse em retornar para a sala de aula seja superior ao limite de 50% da ocupação, as escolas devem se organizar para realizar revezamento semanal dos alunos na modalidade presencial.

ENSINO FUNDAMENTAL I (1º AO 5ºANO)

Segue as mesmas regras do ensino infantil. Nos municípios classificados em risco baixo, moderado e alto são permitidas aulas presenciais, respeitando o limite de 50% da ocupação das salas de aulas. Por isso, parte dos alunos (50%) devem continuar com as aulas remotas. Os pais que não sentirem seguros com o retorno podem optar por manter os filhos nas aulas remotas. Caso o interesse em retornar para a sala de aula seja superior ao limite de 50% da ocupação, as escolas devem se organizar para realizar revezamento semanal dos alunos na modalidade presencial.

ENSINO FUNDAMENTAL II (6º AO 9º ANO)

Nos municípios classificados em risco baixo e moderado, são permitidas aulas presenciais com limite de 50% da capacidade dos alunos na sala de aula. Os demais alunos devem continuar nas aulas remotas. Os pais e alunos que não sentirem seguros com o retorno ao presencial, podem optar por continuar na modalidade remota. Quando haver o interesse por retornar ao presencial superior ao limite de ocupação das salas de aulas, as escolas devem organizar o revezamento semanal dos alunos. Já nos municípios classificados em risco alto, os professores podem realizar atendimento presencial individualizado com horário marcado.

ENSINO MÉDIO

Segue as mesmas regras do ensino fundamental II. São permitidas aulas presenciais nos municípios classificados em risco baixo e moderado. Há um limite de 50% da capacidade de ocupação das salas de aula. Os demais alunos devem continuar nas aulas remotas. Os pais e alunos que não sentirem seguros com o retorno ao presencial podem optar por permanecer no ensino remoto. Caso haja o interesse pelo retorno ao presencial superior ao limite de ocupação das salas de aulas, as escolas devem organizar o revezamento dos alunos. Já nos municípios classificados em risco alto, os professores podem realizar atendimento presencial individualizado com horário agendado.

ENSINO ´TÉCNICO E SUPERIOR

Nos municípios classificados em risco baixo e moderado, as regras são as mesmas dos demais tipos de ensino: permitidas com 50% da capacidade de ocupação das salas de aula; o retorno ao presencial não é obrigatório, sendo permitido continuar no ensino remoto; e quando houver interesse pelo retorno à modalidade presencial superior ao limite, as instituições de ensino devem organizar o revezamento semanal dos alunos. Já nas cidades capixabas classificadas em risco alto, é permitido o atendimento individual, com horário agendado, para todos os cursos. No caso das aulas práticas dos cursos da área da saúde e segurança pública, são permitidas aulas presenciais, com limite de 50% de ocupação da sala de aula/laboratórios. 

Últimas