Folha Vitória Delegacia desativada em Vitória vira esconderijo para usuários de drogas

Delegacia desativada em Vitória vira esconderijo para usuários de drogas

A construção fica na Avenida Maruípe, em Vitória, e segundo moradores, tem se tornado sinônimo de medo e insegurança para a região

Folha Vitória
Foto: Reprodução / TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Uma delegacia desativada tem causado dor de cabeça para moradores. O prédio que fica na Avenida Maruípe, em Vitória, está se transformado em uma espécie de esconderijo para usuários de drogas.

Nem mesmo a forte movimentação de hospitais e do comércio tem sido capaz de inibir a presença e a ação de criminosos na região. O comerciante Deiverson Mapelli, conta que o anoitecer é o momento mais preocupante.

"Começaram a cometer furtos, roubar materiais, pessoas estão se escondendo ali. O período dentre 17h30 e 18 horas é o mais crítico para os moradores", afirmou.

Foto: Reprodução / TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória
Estrutura do prédio está prejudicada

Durante muitos anos, a estrutura abrigou uma delegacia da Polícia Civil e no decorrer desse tempo tudo funcionou bem, mas quando o prédio foi desocupado, começaram os problemas.

Segundo os moradores e comerciantes da região, o local está abandonado há cerca de dois anos, época que a Polícia Civil saiu das instalações. 

Porém, há mais ou menos dois meses, criminosos descobriram o lugar e levaram diversos objetos que estavam na parte interna. Até o portão do local foi levado, mas a Prefeitura de Vitória instalou outro.

Foto: Reprodução / TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória
A falta de iluminação é outro problema que preocupa e assusta os moradores da região

Os comerciantes relatam que a situação do prédio prejudica o movimento. Quando o portão foi roubado, a antiga delegacia chegou a pegar fogo.

De acordo com moradores da comunidade, apesar de ter assumido a troca do portão, a Prefeitura de Vitória não confirma que é dona do prédio.

"Uns falam que é a prefeitura, outros falam que está por conta do Governo e fica naquele empurra empurra. Então a gente não sabe a quem recorrer e só vai piorando a situação", apontou o comerciante.

Afinal, de quem é o prédio?

No Diário Oficial consta uma publicação da Polícia Civil informando que desde 2018 transferiu a delegacia para o bairro Santo Antônio, também em Vitória, e entregou o prédio ao munícipio.

A Prefeitura de Vitória negou e disse que o prédio está formalmente cedido ao Governo do Estado. Ao ser questionado, o Estado, por meio da Secretaria de Estado de Gestão e Recursos Humanos (Seger), reafirmou que terreno e prédio abandonados são de responsabilidade da prefeitura da capital.

Moradores apresentam propostas para a construção

Enquanto as autoridades públicas não se entendem, os moradores tem algumas sugestões para a utilização do espaço. O comerciante George Luiz defende que o local seja aproveitado visando a segurança.

Foto: Reprodução / TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

"Seria interessante talvez eles colocarem um posto da Guarda Municipal que aí inibiria certos assaltos que acontecem na região", recomendou.

Para a dona de casa Gilvânia Oliveira, o local poderia abrigar uma creche. Ela afirma que esse tipo de investimento seria mais viável para a realidade local.

"Aqui daria uma boa creche para crianças. É uma coisa que a gente precisa. Tem tantas mães que vão trabalhar e não sabem como ou onde deixar as crianças. Algumas até pagam sendo que tem um espaço bom desse mas que está abandonado", lamentou a moradora.

A equipe de jornalismo da TV Vitória/Record TV tentou esclarecer o impasse. A Polícia Civil informou que realizou a limpeza no local e enviou, há dois meses, um ofício devolvendo o imóvel à Prefeitura de Vitória.

A prefeitura respondeu que a cessão para utilização do imóvel venceria no ano que vem, mas por conta da falta de uso do espaço, a Secretaria de Gestão e Planejamento da capital sugeriu encerrar o contrato e estuda a melhor forma de aproveitar o local.

* Com informações do repórter Michel Bermudes, da TV Vitória/Record TV

Últimas