Folha Vitória Desabamento de casa em Vila Velha: prazo para conclusão de laudo é prorrogado por 20 dias

Desabamento de casa em Vila Velha: prazo para conclusão de laudo é prorrogado por 20 dias

Corpo de Bombeiros informou que a prorrogação ocorreu "devido à complexidade da investigação". Corporação já concluiu que explosão foi causada por vazamento de gás, mas ainda falta saber de onde veio esse vazamento

Folha Vitória
Foto: Marla Bermudes | TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

O Corpo de Bombeiros prorrogou por mais 20 dias o prazo para concluir o laudo que apontar o provocou o desabamento de uma casa de três andares no bairro Cristóvão Colombo, em Vila Velha. O caso aconteceu no último dia 21 e resultou na morte de três pessoas de uma mesma família.

Inicialmente, a previsão para que o laudo fosse concluído seria nesta quinta-feira (12). No entanto, por meio de nota, o Corpo de Bombeiros informou que a prorrogação ocorreu "devido à complexidade da investigação".

Ainda segundo a corporação, uma equipe composta por nove bombeiros militares atua na apuração das causas do desabamento, sendo sete oficiais peritos e dois sargentos inspetores. 

O Corpo de Bombeiros ressaltou ainda que os levantamentos realizados até o momento indicam que houve vazamento de gás na residência. No entanto, as circunstâncias que geraram a explosão ainda estão sendo investigadas.

Durante a perícia realizada no imóvel, no fim do mês passado, os bombeiros chegaram à conclusão de que um vazamento de gás provocou a tragédia, mas ainda precisavam descobrir a origem desse vazamento.

Uma possibilidade que chegou a ser cogitada foi a de que o vazamento teria ocorrido em um kit gás de um dos veículos da família. No entanto, a equipe verificou que nenhum deles apresentava esse tipo de equipamento.

Relembre o caso

O imóvel desabou após uma explosão ocorrida no feriado de Tiradentes, no dia 21 de abril. Três pessoas da mesma família foram encontradas mortas, após quase 19 horas de resgate. Além disso, a explosão afetou 17 residências vizinhas e 41 moradores.

Foto: Montagem / Folha Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

A única sobrevivente da tragédia foi Larissa Morassuti, de 37 anos, que chegou a ser internada, mas já se recuperou. 

Na explosão, morreram o pai dela, Eduardo Cardoso, de 68 anos; a irmã Camila Morassuti, de 33; e a filha da Camila, Sabrina Morassuti, de apenas 15 anos.

Larissa foi a primeira a ser resgatada. A irmã dela foi localizada cerca de três horas depois. Camila chegou a ser levada para uma ambulância do Samu, mas não resistiu aos ferimentos e morreu. 

Logo depois, os bombeiros conseguiram localizar a filha de Camila. Sabrina chegou a conversar com a equipe de resgate durante um período, na parte da tarde, mas depois não fez mais contato com os bombeiros. As equipes conseguiram resgatá-la à noite, mas foi constatado que a adolescente já estava sem vida.

Durante a madrugada do dia 22 de abril, após quase 20 horas de buscas, foi localizado o corpo de Eduardo Cardoso, pai de Larissa e Camila, que era o proprietário do imóvel que desabou.

Após o desabamento, Larissa ficou internada por seis dias no hospital. Para arrecadar fundos que vão ajudar neste recomeço, uma vaquinha online foi criada por parentes de Larissa. Quem quiser colaborar com qualquer valor, basta acessar o link oficial: https://voaa.me/larissa-sobrevivente.

LEIA TAMBÉM:
>> Sobrevivente de desabamento em Vila Velha fala sobre a explosão, o resgate e a perda dos familiares
>> Explosão em Vila Velha: terreno onde prédio desabou é cercado para evitar invasão
>> Vídeo mostra momento exato em que prédio explode e desaba em Vila Velha
>> VÍDEO | "Não sei por onde recomeçar", diz sobrevivente de desabamento em Vila Velha
>> Prima de sobrevivente de desabamento faz "vaquinha" para arrecadar doações após tragédia

Últimas