Folha Vitória Desequilíbrio hormonal e baixa imunidade: conheça os efeitos do estresse

Desequilíbrio hormonal e baixa imunidade: conheça os efeitos do estresse

O estresse pode gerar ainda doenças cardiovasculares e oscilação da pressão arterial, que estão relacionadas ao estresse ruim e precisam de cuidados

Folha Vitória
Foto: Reprodução
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Neste dia 23 de setembro é comemorado o Dia Mundial de Combate ao Estresse. A data é importante para reforçar o alerta sobre os as doenças causadas pelo estresse e também sobre como buscar ajuda.

"O estresse pode provocar desequilíbrio hormonal, psíquico e que pode causar a baixa imunidade, englobando todo o processo químico do nosso cérebro”, explica a psicóloga Naira Delboni.

De acordo com a especialita, a somatização de emoções mal resolvidas,  sentimentos que vão se acumulando ao longo do tempo e sentimentos negativos gerados pelo estresse afetam diretamente a saúde mental.

Naira alerta que esta situação pode gerar ainda doenças cardiovasculares e oscilação da pressão arterial, que estão relacionadas ao estresse ruim e precisam de cuidados. 

“Desacelerar é muito importante. Sintomas físicos e mentais como dores no corpo, alteração do sono, impaciência, irritabilidade ou falta de concentração devem ser observados”, afirmou.

Veja também: Veja como controlar o estresse e lidar melhor com frustrações

Buscar ajuda especializada é fundamental

Buscar ajuda profissional de psicólogos ou psiquiatras é o mais indicado para colocar as emoções em ordem, realinhar e planejar uma nova rotina. Naira dá outras opções para amenizar os sintomas do estresse. Veja:

- apostar em ambientes restauradores; 

- lugares ligados à natureza como praia e campo;

- locais que promovem a sensação de bem-estar.

“Dormir bem, cuidar da alimentação, pensar antes de agir e contar até 10, são atos que nos fazem relaxar e viver melhor o dia a dia. Meditação, relaxamento e ioga também são alternativas que podem trazer benefícios fantásticos para a melhora do estresse, controlando também a ansiedade a longo prazo”, reforçou. 

A especialista disse ainda que aprender a se conhecer, identificar gatilhos, trabalhar técnicas de respiração e relaxamento, podem garantir resultados benéficos para a melhora da qualidade de vida das pessoas que sofrem com o estresse.

Leia mais: Estresse pode ser fator de risco para hipertensão, diz pesquisa

Últimas