Folha Vitória Diminui a procura por exames feitos para diagnosticar câncer de pele

Diminui a procura por exames feitos para diagnosticar câncer de pele

Até o mês de setembro de 2020, os exames feitos pelo SUS para diagnosticar o câncer da pele caíram praticamente pela metade, em comparação com o mesmo período de 2019

Folha Vitória
Foto: Divulgação
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

O verão chegou e, por conta da alta incidência de raios solares, os cuidados com a pele devem ser redobrados. O período também serve para a conscientização sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer da pele. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), esse é o tipo mais frequente no Brasil, porém, quando a doença é descoberta em fase inicial, tem chance de cura de 90%. Nos casos descobertos tardiamente, cai para 40%. 

Em 2019, até o mês de setembro, o SUS registrou cerca de 210 mil exames realizados e menos de 110 mil em 2020, o registro é o pior da década. A pandemia da Covid-19 pode ter contribuído para que menos pessoas fizessem o exame.

Uma pesquisa das Sociedades Brasileiras de Cirurgia Oncológica e de Patologia revelou que houve redução de até 90% de exames que deveriam ser oferecidos em hospitais. A diminuição pode estar ligada diretamente à pandemia, pois, a partir do início do isolamento físico, foi registrada a queda na procura por exames. No período de 11 de março a 11 de maio de 2020, pelo menos 50 mil brasileiros deixaram de ser diagnosticados com câncer por falta de exames, de acordo com os órgãos.

João Cremasco, médico patologista alerta que, apesar da pandemia, os exames preventivos são de extrema importância para o diagnóstico precoce. “É uma situação alarmante, haja vista que, o câncer da pele é o mais comum no país, estamos em uma região de clima quente. A informação é uma grande aliada, por mais que a situação de pandemia peça que as pessoas fiquem em casa, a saúde é uma prioridade. O cuidado não deve parar”, alerta o profissional.

Recomendações para o verão

Com a chegada da estação mais quente do ano, a incidência de raios solares aumenta, o que eleva o risco de danos causados à saúde. A Sociedade Brasileira de Dermatologia recomenda o uso de protetor solar fator 30 ou mais, bonés e chapéus para se proteger. Todos os anos, 185 mil novos casos de câncer de pele são registrados; é o tumor maligno mais comum no país.

Em relação aos cuidados, o médico patologista reforça. “É preciso estar atento. Pessoas de pele clara com sardas, cabelos claros ou ruivos e olhos claros são os grupos de risco do câncer da pele. Não é preciso aguardar sinais, o ideal é criar o hábito de visitar o médico e fazer exames rotineiramente”, afirma Cremasco.

Últimas