Folha Vitória Doses armazenadas em posto de vacinação em Rio Bananal são recolhidas para análise

Doses armazenadas em posto de vacinação em Rio Bananal são recolhidas para análise

Segundo a coordenação do Programa Estadual de Imunizações, as vacinas estão sendo analisadas pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde. O prazo médio para saber se elas ainda vão poder ser utilizadas é de 30 dias

Folha Vitória
Foto: Reprodução
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

As 133 doses da vacina contra a covid-19 que estavam armazenadas em um posto de vacinação que teve a energia desligada, em Rio Bananal, no norte do estado, foram recolhidas, na quarta-feira (24), pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa). As doses da CoronaVac passarão por uma análise que apontará se elas ainda poderão ser utilizadas para imunizar a população contra o coronavírus.

De acordo com a coordenação do Programa Estadual de Imunizações, as vacinas estão sendo analisadas pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS). O prazo médio para saber se elas ainda vão poder ser utilizadas é de 30 dias. Ainda de acordo com a Sesa, para suprir o município, as doses foram repostas com a reserva técnica da Secretaria de Saúde.

A Prefeitura de Rio Bananal informou que as outras vacinas que estavam na geladeira, junto com a CoronaVac, não serão descartadas.

Relembre o caso

A energia do posto de vacinação de Rio Bananal, onde as vacinas estavam armazenadas, foi desligada durante o Carnaval. As investigações da Polícia Civil apontaram que uma criança de 9 anos foi quem desarmou o relógio de energia do local, sem saber do que se tratava.

No posto, além das doses da CoronaVac, estavam armazenadas diversas doses de outras vacinas, além de exames. O desligamento da energia teria ocorrido no último dia 16, dois dias antes do fato ser percebido por funcionários do prédio.

Segundo a Polícia Civil, a identificação do autor do desligamento foi possível após a análise de imagens de câmeras de videomonitoramento da região. No entanto, os vídeos não foram divulgados, para preservar a identidade da criança e da família dela. 

Últimas