Folha Vitória E-mail de Milena para Hilário Frasson é falso, apontam promotores do Ministério Público

E-mail de Milena para Hilário Frasson é falso, apontam promotores do Ministério Público

No e-mail, enviado no dia 6 de abril de 2017, Milena se mostra arrependida de ter ingressado com uma medida judicial, na qual ela conseguiu o direito de sair de casa com as filhas

Folha Vitória
Foto: Reprodução TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Promotores do Ministério Público Estadual afirmaram que o e-mail apresentado pela defesa de Hilário Frasson, e creditado à médica Milena Gottardi, é falso. A afirmação foi feita durante a fase de debates entre acusação e defesa dos réus no final da tarde deste domingo (29), no Fórum Criminal de Vitória. No conteúdo da mensagem eletrônica, a médica escreve que se sentia arrependida de ter saído de casa com as filhas, no processo de separação. 

A mensagem supostamente teria sido enviada de Milena para Hilário, na madrugada do dia 6 de abril de 2017. 

Os promotores de Justiça apontaram que o e-mail é registrado em nome de Milena Tonini Gotardi (grafia com apenas um "T"). Eles exibiram outros e-mails enviados por Milena para uma amiga em que o endereço é outro e o nome de registro é o dela, ou seja, Milena Gottardi Tonini Frasson. "A médica errou o próprio nome?", questionou o promotor Leonardo Augusto Cezar dos Santos.

A suposta mensagem foi recebida pelo endereço de e-mail de Hilário, fiorotfrasson@hotmail.com. A acusação chamou a atenção para o fato do e-mail não ter sido entregue pela defesa e anexado ao processo antes já que o ex-policial civil prestou depoimento no dia 25 de abril de 2018, e não citou o recebimento da mensagem.

"Se ele estava ansioso para uma reconciliação por que ele não respondeu esse email?", indagou o promotor.

Leia também: Confira todas as reportagens sobre o julgamento do caso Milena Gottardi

E-mail citado pelo MPES dizia que médica se sentia "confusa com a situação"

No e-mail, enviado no dia 6 de abril de 2017, Milena se mostra arrependida de ter ingressado com uma medida judicial, na qual ela conseguiu o direito de sair de casa com as filhas — na época, o casal estava em processo de separação.

Ao longo do texto, a médica afirma estar confusa com a situação, que procurou a Justiça por ter sido "incentivada por algumas pessoas" e que estava com a consciência pesada diante de "postura um tanto precipitada".

"Talvez eu esteja precisando de um tempo para pensar e confesso que estou confusa, porque não imagino ficar sem você. Entrei com uma medida judicial porque na verdade fui incentivada por algumas pessoas e acabei fazendo isso, muito embora não tenha motivo para isso", diz um trecho da mensagem.

"Estou lhe enviando esse e-mail porque minha consciência pesou diante da minha postura um tanto precipitada", diz a médica, em outro trecho.

No dia anterior ao envio do e-mail, Milena Gottardi havia registrado em cartório uma carta, na qual ela afirmava, entre outras coisas, que sofria ameaças do ex-marido, que se sentia refém dentro da própria casa e que a relação deles sempre foi de posse. Disse ainda que temia pela vida dela e das duas filhas.

Com informações de Mayra Bandeira (TV Vitória/Record TV)

Últimas