Folha Vitória Eleições 2020: saiba como será a votação nas aldeias indígenas e no sistema prisional do ES

Eleições 2020: saiba como será a votação nas aldeias indígenas e no sistema prisional do ES

Os indígenas de Aracruz terão cinco urnas nas maiores comunidades. Já o número de eleitores no sistema prisional do Estado deve ser menor este ano

Folha Vitória
Foto: TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Com a pandemia do novo coronavírus ainda sendo uma realidade em nosso cotidiano, cuidados redobrados estão sendo tomados pelo Tribunal Regional Eleitoral do Espírito Santo (TRE-ES) para garantir que minorias tenham direito ao voto, nas eleições do próximo domingo (15), e também segurança contra a covid-19. Os indígenas de Aracruz, por exemplo, terão cinco urnas nas maiores comunidades. Além disso, o TRE-ES trabalha para que os presos provisórios do Estado possam votar. No entanto, este ano o número de eleitores no sistema prisional será menor.

No Espírito Santo, dos 4,5 mil indígenas que vivem nas 14 aldeias de Aracruz, cerca de 1,5 mil estão regularizados na Justiça Eleitoral e vão votar no próximo domingo. "Na maior parte, os mesários são das próprias aldeias, são indígenas, e as sessões são preparadas no sábado, um dia antes. O cartório eleitoral de Aracruz tem as pessoas já cadastradas que têm a permissão para entrar nas aldeias", destacou a assessora técnica da Corregedoria do TRE-ES, Jaqueline Nunes.

"Nessa eleição, haverá um cuidado bem maior. A recomendação é que as pessoas que terão contato com as aldeias fiquem o máximo reclusas. E também o tribunal mandou um número maior de máscaras para distribuição entre os indígenas, para proteção, por ser uma categoria vulnerável", acrescentou.

Presos

Com relação aos presos provisórios, que são aqueles que ainda não tiveram condenação na Justiça, geralmente o TRE-ES realiza mutirões para regularizar a documentação deles nas unidades prisionais. Na eleição passada, em 2018, foram cerca de 1,3 mil detentos aptos a votar. 

No entanto, desta vez, por causa da pandemia da covid-19, o mutirão não foi realizado e apenas 353 presos provisórios vão exercer o direito ao voto nessas eleições. Pelo mesmo motivo, adolescentes infratores, entre 16 e 18 anos, também não vão votar. 

Os presos provisórios que vão às urnas no próximo domingo, no Espírito Santo, são de sete municípios: Aracruz, Cachoeiro de Itapemirim, Colatina, Guarapari, Marataízes, São Mateus e Serra.

"O horário [de votação no sistema prisional] é o mesmo horário oficial de eleição — neste ano, vai ser de 7h às 17h. Os mesários são as pessoas indicadas pelos próprios estabelecimentos prisionais. São, normalmente, servidores da área administrativa que trabalham ali e foram treinados como mesários para atuarem nessas sessões eleitorais", explicou Jaqueline Nunes.

Democracia

O professor Darlan Santos, que também é consultor em marketing político, afirma que garantir o direito ao voto para as minorias é uma forma de fortalecer a democracia. "Democracia significa poder do povo e, para isso, a gente precisa dar à população o direito de escolher os seus governantes. Por isso, é fundamental que, seja qual grupo ou etnia, que eles possam exercer o direito ao voto no Brasil", frisou.

Quem tiver dúvidas sobre a votação, pode entrar em contato com o TRE-ES pelo telefone 0800 940 080, que é o Disque-Eleições. O horário de atendimento é de 8 às 18 horas, no sábado, e de 6 às 18 horas, no domingo. Também é possível falar com a Bel, uma assistente virtual do TRE-ES, por meio do site tre-es.jus.br.

Com informações do repórter Alex Pandini, da TV Vitória/Record TV 

Últimas