Folha Vitória Eletroestimulação ganha espaço nas academias e clínicas do país

Eletroestimulação ganha espaço nas academias e clínicas do país

Com 20 minutos de exercício é possível ver resultados ao longo de um mês

Folha Vitória
Foto: Divulgação/DINO

As técnicas, inovações e a tecnologias que estão sendo criadas na área de tratamentos em clínicas e de processos em academias ganharam milhões de adeptos no mundo todo. No Brasil esse quadro não é diferente. Entre as diversas modalidades de treino, a eletroestimulação tem se tornado uma das preferidas do público que procura melhorar a qualidade de vida e, por consequência, a saúde.

A eletroestimulação consiste na utilização de correntes elétricas para estimular a contração muscular involuntária. Para isso, são usados cerca de 20 eletrodos sobre o corpo para obter o resultado desejado. O objetivo da eletroestimulação é trabalhar as fibras musculares ao extremo, sem causar fadiga — o que geralmente acontece em treinos pesados. A corrente elétrica usada no tratamento passa pelos nervos motores que vão estimular as fibras musculares. Esse tipo de estímulo compete com a transmissão do impulso doloroso e, por isso, acaba diminuindo a percepção de dor. Essa corrente também age no sistema nervoso central, liberando a produção de endorfina, endomorfina e encefalinas, o que também contribui para o bloqueio da sensação de fadiga e cansaço.

"O processo de eletroestimulação é um dos mais procurados atualmente. Um dos fatores principais pelo sucesso, é que, com apenas 20 minutos de exercício, é possível trabalhar até 350 músculos, tendo um rendimento muito elevado, em tempo equivalente a 90 e 120 minutos de um treino convencional. Com apenas duas sessões semanais, no final do mês, já é possível ver resultados expressivos", aponta o médico e proprietário do misto de clínica e academia Cyber Cross, Euclides Gabilheri Júnior. 

O procedimento também é utilizado para diversificadas finalidades, já que não exerce nenhum tipo de dor no local ou manchas pelo corpo de quem usa, além de não possuir nenhuma contraindicação ou efeito colateral, já que proporciona o relaxamento muscular e não tem caráter invasivo. O procedimento hoje está inserido no rol de tratamentos de fisioterapeutas, atletas amadores e profissionais a fim de prevenir as lesões e na recuperação dos corpos, idosos que buscam manter o tônus da musculatura, além das clínicas estéticas para tratamentos e massagens corporais. 

“São várias as benesses desse exercício. Além da economia de tempo, o procedimento melhora o índice de massa muscular, com fortalecimento de articulações e os tendões, aumentando a resistência ao cansaço. Também diminui o envelhecimento natural do tecido, melhora a postura, reduz as dores e o mal-estar nas regiões lombares e costas e previne e melhora as síndromes da incontinência urinária. Os eletrodos também estimulam e desenvolvem todos os grupos musculares simultaneamente, melhora a circulação sanguínea e a atividade cardiovascular e fortalece os ossos, prevenindo a osteoporose”, conclui Euclides. 

Para mais informações, basta acessar o site da Cyber Cross, clínica e academia com Analgesia, Recovery e Eletroestimulação.

Últimas