Folha Vitória Em 2020, 583 pessoas morreram em acidentes de trânsito no ES

Em 2020, 583 pessoas morreram em acidentes de trânsito no ES

Para os especialistas no tema, a sensação de impunidade faz com que muitas pessoas não respeitem a legislação de trânsito

Folha Vitória
Foto: Leitor | Whatsapp Folha Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Mais de 580 pessoas morreram em acidentes de trânsito no Espírito Santo entre os meses de janeiro e outubro de 2020. É o que aponta os dados da Secretária Estadual de Segurança Pública (Sesp). Para os especialistas, a falta de fiscalização e imprudência dos condutores são fatores que agravam a situação. 

O fluxo nas ruas, avenidas e estradas do Estado é intenso. Carros, motos, ônibus, caminhões, bicicletas e pedestres disputando espaço. A quantidade de automóveis não para de crescer e, consequentemente, o número de acidentes e mortes no trânsito capixaba também aumenta. 

Ricardo Duque foi uma das vítimas. Em julho, ele seguia pela Reta da Penha, em Vitória, pedalando uma bicicleta, quando foi atingido por um carro. O ciclista não resistiu aos ferimentos e morreu. 

Para o Capitão Sandro, do Batalhão de Trânsito da Polícia Militar, a imprudência dos motoristas é um dos principais fatores que geram os acidentes. "Essas imprudências estão associadas ao consumo de bebida alcoólica e direção, mas também quando o condutor fala ao celular ou exerce a velocidade acima do que é permitido na via", explicou. 

Das 583 mortes registradas no trânsito capixaba, 275 foram por acidentes envolvendo motos, 213 por colisões e 95 por atropelamento. Os dados da Grande Vitória também geram preocupação. "Até o mês de outubro, nós registramos 61 óbitos, em sua maioria, cerca de 75%, são do sexo masculino", destacou. 

Não são apenas os motoristas que precisam ficar atentos ao trânsito. Os pedestres também devem redobrar a atenção ao andar pelas ruas. Atravessar na faixa de pedestre e ficar atento ao semáforo é de extrema importância para evitar acidentes. 

Para o especialista em trânsito, a sensação de impunidade faz com que muitos condutores não respeitem a legislação. "Muitas vezes, a pessoa comete uma imprudência e não vai presa, porque precisa do flagrante policial. Ou ainda, quando é detida, consegue um bom advogado e é solta. É preciso reforça as ações de educação no trânsito", alertou. 

A Policia Militar garante que faz fiscalizações e ações educativas com os motoristas. "Nossas fiscalizações acontecem durante o dia nos postos policiais e pontos estratégicos. Fazemos ações de educação, mas também de coerção", lembra o capitão. 

*Com informações do repórter Vitor Moreno, da TV Vitória/Record TV. 

Últimas