Folha Vitória Emocionado, dono de restaurante inundado durante chuva desabafa: 'O fim será fechar'

Emocionado, dono de restaurante inundado durante chuva desabafa: 'O fim será fechar'

Ele calcula um prejuízo de R$ 40 mil após chuvas em 2019 e lembra os desafios enfrentados no auge da pandemia da covid-19

Folha Vitória
Foto: TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Manter um pequeno negócio não é nada fácil. Diante dos desafios diários e dos constantes aumentos de preços, diversos comerciantes do bairro Cobilândia, em Vila Velha, ainda precisam enfrentar os alagamentos, consequências das chuvas, como as que caíram nos últimos dias no Espírito Santo.

O comerciante Sérgio Gimenes é dono de um restaurante em uma das principais avenidas do bairro. Desde que começou a pandemia, o funcionamento do local acontece somente de segunda à sexta-feira. No entanto, nesta semana, somente nesta quinta (14), ele conseguiu entrar no estabelecimento.

Foto: TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

A última vez que o restaurante abriu as portas foi na sexta-feira (08). Apesar de estar com portas abertas, ele já descarta a possibilidade de atender clientes nesta quinta.

"Só conseguiu abrir hoje, mas tem muita lama aqui dentro. Tinha água ainda, mas já está escoando. É mais um ano de prejuízo. São 20 anos que tenho este restaurante. Antes (o alagamento) era só na rua, mas agora tamb´em acontece no restaurante", relatou.

Leia também: Chuva dá trégua, mas ruas de Cobilândia amanhecem alagadas

O comerciante ainda lembrou que nas fortes chuvas registradas em 2019, o prejuízo causado pelos alagamentos foi calculado em R$ 40 mil. Situação que ficou ainda mais complicada com a chegada da pandemia.

"Na pandemia fomos ainda mais afetados. Estamos no vermelho e não conseguimos trabalhar. Não recebemos nenhuma ajuda do governo na pandemia. Estamos inadimplentes e é mais um ano de prejuízos", disse.

Emocionado, ele relata que antes eram 12 funcionários no restaurante. Atualmente, trabalham apenas ele, a esposa e outras duas pessoas.

"O fim vai ser fechar. Não fechei ainda para não deixar os funcionários na mão. Não temos dinheiro nem para pagar a rescisão. É muito triste", lamenta.

Ruas continuam alagadas em Cobilândia

Foto: Polyana Martinelli | TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Diversas ruas do bairro continuam alagadas nesta quinta-feira (14), mesmo após a diminuição da chuva. A equipe da TV Vitória/Record TV registrou diversos moradores e veículos que ainda precisam encarar a água para se locomover.

Na quarta-feira (14), um motorista, ao tentar atravessar uma rua do bairro, acabou tendo dificuldades. No meio do caminho, o automóvel parou de funcionar e ele precisou descer, em meio ao alagamento, para empurrar o carro.

Denilson Nere é um dos moradores que se arriscam em meio aos alagamentos. Na terça-feira (12), ao tentar passar pela mesma via, ele acabou caindo em um bueiro.

"Não tem outra opção, tem que tentar. Ontem eu caí em um bueiro aberto, pois não dava para ver. A gente vai se arriscando para saber até onde vai chegar. Infelizmente hoje não tem nem como chegar no meu trabalho, pois estou todo molhado. Vou para casa trocar a roupa, fazer a higienização, tirar essa água suja para evitar as doenças", contou.

*Com informações da repórter Polyana Martinelli, da TV Vitória/Record TV

Últimas