Folha Vitória Empresário da depilação, Fábio Costa Silva inova e bomba vendendo açaí

Empresário da depilação, Fábio Costa Silva inova e bomba vendendo açaí

Também consultor de negócios, especialista em mercado brasileiro decidiu inovar depois de quase 20 anos atuando em gestão empresarial

Folha Vitória
Foto: Arquivo Pessoal/Divulgação
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Fábio Costa Silva é fraqueado de gigante da depilação há anos e agora está fazendo sucesso, também, vendendo açaí em uma rede que ele mesmo fundou. O especialista que se tornou famoso por empreender no mercado nacional atua há quase 20 anos na gestão empresarial. Cada vez mais vem se especializando em vendas pela internet, o e-commerce.

Atualmente, o empreendedor quer cada vez mais atuar como uma ponte entre mercado e público e trabalha para isso.

“Meus próximos passos estão baseados no meu trabalho e na minha família. Quero viver com meus filhos nos Estados Unidos, além de conseguir implantar a melhor e mais completa assessoria para a dolarização de patrimônio, fazendo negócios lá. Também reservo parte do meu tempo na elaboração de políticas de investimentos e captação de recursos", diz.

E continua: "Acredito que as soluções de políticas estruturais definem as regras que darão sentido à rotina do negócio, promovendo mais agilidade, transparência e autonomia às atividades da empresa, independente de que tamanho ela seja. Costumo dizer para muitos que não parem no primeiro cancelamento, como é o que fazem na internet".

Fábio também confidencia que aprendeu muito com os pais e carrega essa experiência de vida, no geral, para não desistir.

"Minhas grandes inspirações para a vida foram meus pais. Mesmo com todas as dificuldades da vida, sempre se mantiveram em pé na luta e nunca desistiram da gente. É isso que eu procuro fazer na minha caminhada. Sei que o dinheiro que ganho não é só pra mim e sim para transbordar em muitas vidas. Temos três centros de recuperação para dependentes químicos, uma casa para cuidar de adolescentes e crianças abandonadas, outra para auxiliar mulheres que sofreram algum tipo de abuso ou maus tratos, além de uma para receber andarilhos nas estradas do Brasil”, termina.

Últimas