Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Notícias R7 – Brasil, mundo, saúde, política, empregos e mais
Publicidade

Empresário da Ilha da Xuxa, em Vila Velha, diz que “não vai permitir venda de droga e prostituição”

João Carlos não se posicionou sobre a entrada de demais banhistas no local, apesar de ter reconhecido, nas entrelinhas, a confirmação de que a praia é um local público

Folha Vitória

Folha Vitória|Do R7


Folha Vitória
Folha Vitória

O empresário João Carlos Rodrigues Neto, denunciado pelo Ministério Público Federal do Espírito Santo (MPF-ES) por impedir que a população utilize a praia situada na Ilha da Baleia, também conhecida como Ilha da Xuxa, em Vila Velha, afirmou, com exclusividade ao Folha Vitória, que não irá permitir a comercialização de drogas e a prática de prostituição na praia, situada próxima ao Farol de Santa Luzia.

“Eu tenho aquela ilha há 46 anos, é aforada e ficam me questionando pelo meu terreno, pela minha casa. A praia é liberada sim, mas as pessoas têm ido lá vender droga e fazer prostituição e isso eu não vou permitir”, disse.

Apesar do contato, João Carlos não se posicionou sobre a entrada de demais banhistas no local, apesar de ter reconhecido, nas entrelinhas, a confirmação de que a praia é um local público.

> Quer receber nossas notícias 100% gratuitas pelo WhatsApp? Clique aqui e participe do nosso grupo de notícias!

Publicidade

A declaração se deu após a Justiça Federal ter acolhido o pedido do MPF-ES, que proíbe o homem de impedir que a população utilize a praia situada na Ilha da Baleia.

João Carlos é o foreiro legal da ilha — ou seja, administrador local. Apesar disso, consta do pedido do MPF-ES, que ele estava utilizando métodos ilegais, inclusive por meio de ameaças de seus funcionários e seguranças, uso de cães de grande porte, e até de atear fogo na ilha - para afastar banhistas, esportistas e a população em geral da praia.

Publicidade

De acordo com a decisão, João Carlos Rodrigues Neto deve, imediatamente, abster-se de:

- Praticar qualquer ação ou omissão que impeça o acesso livre, a circulação e o usufruto da praia localizada na Ilha da Baleia pela população;

Publicidade

- Não atear fogo ou realizar fogueira em qualquer local da Ilha da Baleia, incluindo a queima de lixo;

- Não transitar com seus cães ou permitir que eles transitem sozinhos na faixa de areia da praia da Ilha da Baleia;

- Retirar as boias de sinalização instaladas de forma irregular na margem da praia situada na Ilha da Baleia.

Ainda segundo a decisão liminar, “os elementos juntados aos autos dão a entender que o réu age como se fosse o proprietário da praia da Ilha da Baleia, de modo que o deferimento da tutela de urgência se impõe no sentido de reaver a praia para a população capixaba”.

O descumprimento de qualquer uma das obrigações pode gerar a aplicação de multa no valor de R$ 10 mil por infração. Foi concedido prazo de 15 dias para que o empresário efetue as ações necessárias para atender à decisão.

Praias são públicas

De acordo com o procurador Carlos Vinicius Cabeleira, autor da ação no MPF, as praias são caracterizadas como bens públicos de uso comum do povo e devem possuir acesso livre a elas e ao mar, em qualquer direção ou sentido.

Ainda de acordo com o procurador, “é inaceitável que o réu se comporte como proprietário da praia utilizando métodos muitas vezes violentos contra as pessoas que se aproximam dela, impedindo o livre acesso à praia, bem de uso comum do povo, em total afronta à legislação vigente”.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.